Um vulcão ativo na Costa Rica, uma ilha do arquipélago Ártico Canadense, fitoplâncton e o rio Coppename. Está perdido no globo? Nós damos-lhe as coordenadas.

Estas quatro regiões e fenómenos do planeta foram registados em imagens científicas de alta resolução pelos satélites da NASA e foram transformados em padrões de lenços e écharpes da marca de roupa Slow Factory.

Esta design boutique distingue-se por criar coleções de edição limitada de lenços de seda com imagens da agência espacial norte americana. O objetivo é apoiar organizações reconhecidas internacionalmente pelo seu papel de preservação nos setores do ambiente ou direitos humanos.

A mais recente coleção, “Petit Atlas”, pretende angariar fundos para apoiar o trabalho da ONG WWF, que atua em diferentes áreas como água, florestas, espécies, energia, oceanos e alterações climáticas. Todos os modelos estão à venda na loja online da marca e destinam-se tanto a mulheres como a homens.

Ao Observador, a CEO da Slow Factory, Celine Semaan Vernon, explica que o mais original deste trabalho é o facto de “imagens de alta resolução da terra poderem ser enroladas ao pescoço ou usadas sobre os ombros, para nos aquecer. Esta relação entre o significado da imagem e a funcionalidade do lenço de seda inspira-nos a continuar a explorar formas de trazer o mundo para perto das pessoas. Estes lenços permitem a quem os usa viajar para um lugar novo, como por magia.”

Em 2016, o atlas de seda chegará também ao nosso país, já que, segundo avança a responsável, à coleção de lenços dedicada às cidades e às suas paisagens noturnas já existente será acrescentada uma nova paragem: “Portugal by Night”.