A Livros do Brasil, chancela do grupo Porto Editora, anunciou hoje a publicação, na quinta-feira, de “Retrato do artista quando jovem cão e outras histórias”, do escritor Dylan Thomas, nascido há exatamente 101 anos, no País de Gales.

“Pela primeira vez, em Portugal, é publicada toda a obra narrativa de um dos mais carismáticos escritores de língua inglesa”, afirma a editora. A tradução para Língua Portuguesa de “Retrato do artista quando jovem cão e outras histórias” foi de José Lima.

O britânico Dylan Thomas cultivou a poesia, género no qual se tornou “consagrado aos 22 anos”, mas escreveu para rádio, teatro e para cinema.

“A presente edição inclui o seu romance inacabado, ‘Aventuras no comércio de peles’, e outras históricas do autor, que nunca ocultou a veia de contista, exceto a correspondência”, disse à Lusa fonte da editora.

“Desde as primeiras visões alucinatórias das forças obscuras que se escondem sob a superfície da vida no País de Gales, até à inimitável comédia dos seus últimos escritos autobiográficos, estas mais de 40 histórias traçam um percurso pela ampla obra ficcional deste enorme escritor, prematuramente desaparecido, aos 39 anos”, segundo a mesma fonte.

Dylan Thomas nasceu em Swansea, no País de Gales, a 27 de outubro de 1914, e, aos 16 anos, começou a trabalhar como jornalista no South Wales Evening Post, tendo rumado a Londres, “onde rapidamente se afirmou como um dos poetas líricos mais importantes da sua geração”.

A partir de 1934, publicou vários livros de poesia, que culminaram na publicação dos “Collected Poems 1934-1952”.

Em 1952, venceu o Prémio Foyle de Poesia.

Do trabalho para rádio sobressaem a narrativa “A child’s Christmas in Wales”, e a peça radiofónica “Under milk wood” (“Sob o bosque de leite”), publicado em Portugal pela Cotovia.

A gravação de 1952 de “A child’s Christmas in Wales” consta, desde 2008, do The United States National Recording Registry (arquivo nacional de gravações sonoras dos Estados Unidos).

A peça “Sob o bosque de leite”, “multiplicação de vozes” que apresentou em 1953, na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, como “working in progress”, venceu no ano seguinte o Prix Italia para programas radiofónicos de teatro e literatura, numa produação da BBC Radio, com Richard Burton, entre outros.

Entre 1950 e 1953, Dylan Thomas fez quatro visitas aos Estados Unidos, convidado para conferências, tendo falecido, em Nova Iorque, no dia 09 de novembro de 1953, enfraquecido pelo alcoolismo.