Mais de um terço dos comissários que fizeram parte do segundo executivo de Durão Barroso na Comissão Europeia aceitaram empregos em empresas e organizações que os colocam numa posição em que podem fazer lóbi à Comissão Europeia. Durão Barroso é quem acumula mais postos neste período pós-Comissão, pelo menos notificados, com 22 cargos em diferentes organizações.

Empresas, bancos, seguradoras, há de tudo um pouco – embora a maioria seja honorífica ou pró bono e a lista reflita os cargos autorizados pela própria Comissão Europeia. Mesmo assim, segundo o Corporate Europe Observatory, um grupo de análise que tem como objetivo expor ligações entre as empresas e os seus lóbis ao processo legislativo europeu, Durão Barroso é quem mais cargos acumula, mais que qualquer um dos 26 comissários.

Na lista de Durão Barroso estão vários postos em universidades – na Califórnia, Nova Iorque, Nova Jérsia, Washington, Genebra, Lisboa, Leuven, Macau -, que incluem cargos de professor visitante ou para dar seminários e palestras. Durão Barroso aparece ainda como membro da administração da Ópera de Madrid, chairman da Fundação da UEFA para Crianças e da fundação das Belas Artes de Bruxelas.

Os 22 postos de Durão Barroso:

  1. Membro do Institute of Public Policy de Belgrado
  2. Chairman da UEFA Foundation for Children
  3. Professor visitante da Universidade de Princeton
  4. Membro do conselho consultivo da McDonough Shool of Business, da Universidade de Georgetown.
  5. Membro do conselho internacional da Ópera de Madrid
  6. Membro da administração do The Europaeum
  7. Membro do Steering Group das Conferências de Bilderberg
  8. Atividades no Fórum Económico Mundial
  9. Professor honorário do Instituto Politécnico de Macau
  10. Membro do conselho consultivo do Women in Parliament
  11. Membro honorário da administração da Fundação Jean Monnet para a Europa
  12. Seminários e palestras na Universidade Católica de Leuven
  13. Professor Visitante da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
  14. Eventos com o Speakers Bureau in Londres e Washington
  15. Professor visitante da Universidade de Genebra
  16. Seminários e palestras na Universidade de Genebra
  17. Professor visitante do Graduate Institute of International and Development Studies de Genebra
  18. Professor visitante na Universidade da Califórnia 
  19. Co-Presidente honorário do Centro Europeu para a Cultura
  20. Presidente honorário do comité honorário da European Business Summit
  21. Presidente emérito do Teneo Leadership Institute da Universidade de Cornell
  22. Presidente da Fundação do Palácio das Belas Artes de Bruxelas

Já os 26 comissários registaram 117 cargos diferentes, dos quais 98 foram aprovados formalmente. Destes, 37 passaram pela comissão de ética para aprovação.

Entre os cargos dos comissários que levantam dúvidas ao Observatório, está o cargo de Neelie Kroes (comissária para a Agenda Digital) no Bank of America Merrill Lynch, ou o posto de Joaquin Almunia (comissário responsável pela Concorrência) na Enel.

No total, defende o Observatório, pelo menos quatro comissários têm (oito) postos que simplesmente não deviam ter sido autorizados.