Uma exposição de autorretratos (‘selfies’) é um dos destaques da Semana da Língua Portuguesa da Universidade de Toronto, que decorrerá entre 2 e 9 de novembro, disse à agência Lusa fonte da organização.

“Hoje em dia todos os alunos gostam de tirar ‘selfies’. Estamos a falar de algumas centenas de alunos. Pensei que seria uma boa atividade porque às vezes temos muitas dificuldades em conhecer os alunos, pois são muitos”, disse a professora Manuela Marujo.

A exposição de ‘selfies’ pode ser visitada durante o evento, no Victoria College daquela instituição de ensino.

A diretora associada do Departamento de Espanhol e Português da Universidade de Toronto, que organiza a Semana da Língua Portuguesa, salientou ainda que as novas tecnologias disponíveis nos ‘smartphones’ tornam cada vez mais fácil e corrente “tirar um retrato”.

“É difícil fazê-lo com um símbolo lusófono, mas temos algumas coisas engraçadas. Acho que vai ser uma novidade, e todos os que passarem por ali vão aprender algo sobre a nossa cultura lusófona”, acrescentou.

O Departamento de Espanhol e Português da universidade quer ser “abrangente”, reconhecendo que a língua portuguesa “pertence a muitas outras pessoas de vários países”, símbolos da lusofonia que podem ser os “cabo-verdianos, timorenses e doutros países que adotaram o português como língua oficial”.

Manuela Marujo realçou ainda que a universidade pretende transmitir ao público em geral a mensagem da “importância e do potencial económico” da língua portuguesa.

“Muitos alunos da Universidade de Toronto vão aprender português sem ter qualquer ligação com a lusofonia. Eles são de muitas e diferentes heranças culturais e vão aprender português porque compreendem que vai ser uma língua que os vai ajudar no futuro”, frisou.

Atualmente, os cursos do português são frequentados por 150 alunos, e cerca de metade não tem ligações à lusofonia, provindo de países como a Coreia do Sul, Vietname, China ou Itália.

Neste ano letivo estreou um novo curso de português para falantes de espanhol, que Manuel Marujo disse ser “muito frequentado”, porque muitos alunos, como já falam línguas como a italiana, francesa ou espanhola, consideram que o português “vai ser uma disciplina mais acessível para eles”.

“Isso para nós é muito vantajoso porque atrai esse tipo de alunos que compreendem bem como se aprendem as línguas. Quando mais línguas soubermos mais ricos ficamos e mais facilidades de emprego um dia terão”, concluiu.

Além da exposição de ‘selfies’, a 12.ª Semana da Língua Portuguesa terá diversas iniciativas em vários locais de Toronto, que vão desde debates, seminários, cinema, atividades de rua e gastronomia.

No primeiro dia do evento, será entregue a um estudante da universidade o Prémio Pedro da Silva, numa parceria entre a Caixa Geral de Depósitos e aquela instituição de ensino.