Os países da zona euro têm de se comprometer com uma reestruturação formal da dívida da Grécia antes de o FMI voltar a emprestar dinheiro ao país, refere um responsável da organização. Os planos para rever a dívida grega não serão suficientes se não forem acompanhados de uma redução da carga de empréstimos, esclarece David Lipton, vice-diretor de gestão do FMI, noticia a Bloomberg. 

“Queremos uma operação de dívida que seja acordada entre a Grécia e os credores. Para nós (FMI) avançarmos, queremos ter mais do que uma garantia geral de que esta preocupação vai ser tomada em conta, queremos detalhes específicos de como tudo vai ser tratado para assegurar que a dívida da Grécia vai entrar num caminho sustentável”, defende o responsável.

Em agosto, a Grécia recebia uma ajuda de 86 mil milhões de euros de um conjunto de 19 países, que pretende agora que o FMI dê mais ajuda. De recordar que Alexis Tsipras pediu um novo programa do FMI para substituir o que vai expirar em março. Os novos programas de ajuda terão de ser aprovados por um painel que represente os 188 países membros do FMI.