Rádio Observador

Economia

CP transferiu locomotivas para a CP Carga antes de a privatização estar concretizada

227

A titularidade das locomotivas pela CP Carga era uma das condições da privatização. CP transferiu as unidades, como parte do processo de recapitalização da empresa, antes de concretizada a venda.

A CP transferiu a titularidade das locomotivas usadas no transporte de mercadorias para a CP Carga, antes de estar concluído o processo de privatização desta empresa. A empresa confirma a operação de “capitalização” da empresa sua participada, cuja última etapa foi concluída há um mês, mas assegura que esta transferência se insere no processo de autonomização da CP Carga e que seria efetuada “independentemente do processo de privatização da CP Carga que não se encontra ainda encerrado”

O esclarecimento prestado pela empresa ao Observador surge na sequência de um comunicado emitido pelas comissões de trabalhadores da CP e da CP Carga, segundo o qual a operadora ferroviária “se preparava para passar para a CP Carga todas as locomotivas que até aqui lhe alugava, através de um aumento de capital em espécie” (neste caso, em equipamento).

Esta operação de capitalização da CP Carga, acrescentava o comunicado, “não só limpa toda a sua dívida — 120 milhões de euros –como representa uma descapitalização da CP em igual montante. E isto a troco de dois milhões de euros”. O valor reporta-se ao encaixe que a CP terá com a alienação das ações da empresa de transporte de mercadorias, já que o grosso do preço de 53 milhões de euros a pagar pela compradora, a MCS, será usado para resolver a dívida da CP Carga à CP e outras entidades públicas.

Segundo a informação das comissões de trabalhadores, que são contra a privatização, para efeitos de transferência de capital o parque de 59 locomotivas foi avaliado em 116 milhões de euros, valor que consideram pecar por defeito.

A propósito do que qualifica de “versão incorreta” da operação, fonte oficial da CP acrescenta que a transferência das unidades para a CP Carga não “envolve qualquer movimento de fluxos financeiros”. Mas questionada sobre os valores e o aumento de capital, diz que a transferência terá efeitos contabilísticos nas duas empresas, que se irão refletir nas contas de 2015, “independentemente do sucesso que o processo de privatização venha a registar na sua etapa final”. 

Apesar de a CP afastar uma ligação entre a capitalização da CP Carga e a sua venda, o Observador confirmou que a titularidade das locomotivas era uma das condições asseguradas aos investidores no quadro da privatização da operadora de transporte de mercadorias. Até agora, a CP Carga pagava uma verba pelo leasing das locomotivas, para além de uma renda anual à CP que continuou a ser dona deste material, depois da autonomização jurídica do negócio de transporte de mercadorias em 2009. A CP Carga tem os vagões.

Ainda segundo as comissões de trabalhadores do grupo, a CP Carga teve de se endividar na banca para responder aos encargos relativos à frota. Toda a divida bancária da empresa tem aval da casa-mãe.

A CP Carga foi a última privatização a ser decidida pelo anterior governo, em julho deste ano. O vencedor foi a MSC Rail, uma participada da MSC Portugal, que pertence ao gigante MSC – Mediterranean Shipping Company, o segundo maior armador mundial. A operação só foi notificada à Autoridade da Concorrência em outubro, que ainda está a analisar o processo. Só depois da luz verde desta entidade é que o negócio pode avançar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)