A caução de Ricardo Salgado no processo “Monte Branco”, onde é arguido por suspeita de branqueamento de capitais, foi reduzida de três para 1,5 milhões de euros, avançou a SIC Notícias. A decisão do juiz Carlos Alexandre, responsável pelo processo, surge na sequência de um pedido de levantamento da totalidade da caução feito pela defesa do antigo presidente do Banco Espírito Santo (BES).

Com a devolução dos 1,5 milhões de euros, Salgado, em prisão domiciliária com vigilância policial desde 24 de julho mas por causa de outro processo, o do BES, terá de depositar, até esta quinta-feira, outros 1,5 milhões de euros se quiser sair em liberdade. Este segundo valor resulta da diferença entre a caução de três milhões de euros relativa ao processo conhecido por “Universo Espírito Santo”, onde também é arguido, e a “devolução” dos 1,5 milhões agora decidida por Carlos Alexandre no outro processo em que também é arguido. 

Recorde-se que Ricardo Espírito Santo é arguido em dois processos — o “Monte Branco” e o denominado “Universo Espírito Santo”. Em causa estão suspeitas de crimes de falsificação, burla qualificada, abuso de confiança, fraude fiscal, corrupção no setor privado e branqueamento de capitais.