Cinema

O que ver no Lisbon & Estoril Film Festival

O festival de cinema arranca esta sexta-feira com antestreias, uma competição internacional renhida e, claro, presenças ilustres do mundo do cinema. Reunimos aqui o que não pode (mesmo) perder.

Pormenor do cartaz da 9.ª edição, que começa esta sexta-feira

©Divulgação

Autor
  • Sara Otto Coelho
Mais sobre

Chegou em 2007 ao Estoril como European Film Festival e não passou despercebido, com convidados como David Lynch e Pedro Almodóvar. Oito anos e um novo nome depois, o número de convidados cresceu, os candidatos à competição multiplicaram-se e a programação alargou-se — tanto em variedade como em espaço, com a inclusão de salas em Lisboa. A 9.ª edição do Lisbon & Estoril Film Festival (LEFFEST) acontece entre 6 e 15 de novembro e, entre tantas propostas imperdíveis, o difícil vai ser escolher.

Para dar uma ajuda, percorremos o programa de uma ponta à outra e deixamos sugestões para os diferentes tipos de público, dos que fazem questão de acompanhar a ascensão de novos realizadores àqueles que querem é ver e ouvir de perto talentos consagrados.

Para quem gosta de arriscar

Só no fim do LEFFEST é que se sabe quem será o vencedor entre os 13 filmes em competição. O júri já teve o trabalho mais difícil, que foi selecionar as 13 obras finalistas entre todas as candidatas. Agora, o público vai sentar-se na cadeira, confiar no julgamento do júri e descobrir trabalhos novos de realizadores de todo o mundo. Um deles é “11 Minutes“, do polaco Jerzy Skolimowski, um thriller com acontecimentos inesperados que acabam por mudar o destino dos habitantes de uma cidade em apenas 11 minutos.

Quase todos os filmes em competição são antestreias em Portugal. É o caso de “El Apóstata“, de Federico Veiroj, sobre um corte com o passado. Resultado de uma parceria entre França, Espanha e Uruguai, esta comédia dramática venceu o prémio da crítica este ano no festival de San Sebastián.

Quem também viu um filme selecionado para o festival de San Sebastián foi João Salaviza, único português na competição do LEFFEST. “Montanha“, a sua primeira longa-metragem, segue o percurso de David (David Mourato), um jovem de 14 anos que passa por um momento crucial na sua vida, forçado a crescer rapidamente, sem fortes referências familiares.

Filmes vindos dos Estados Unidos, Geórgia, Japão, China, Lituânia, Irlanda e França completam a seleção oficial dos filmes em competição.

Para quem gosta de reavivar a memória

Em simultâneo com as novas obras convivem os clássicos. E o LEFFEST lembra-os com homenagens e retrospetivas, dando a oportunidade ao público de conhecer alguns deles e relembrar a sua filmografia. Um dos realizadores em destaque será Wim Wenders, pioneiro do novo cinema alemão e cuja relação com Portugal é já longa (exemplo disso é a exposição de que falamos mais abaixo, nos eventos paralelos). Dele serão exibidos cinco filmes, entre os quais “As Asas do Desejo”, de 1987, e “Lisbon Story – Viagem a Lisboa”, de 1994.

Homem do teatro e do cinema português, Luís Miguel Cintra vai ser homenageado pela carreira como ator, através de uma seleção dos filmes em que participou, como “Recordações de uma casa amarela”, de João César Monteiro, “Uma Pedra no Bolso”, de Joaquim Pinto, “Todas Hieren”, de Pablo Llorca, e, claro, alguns do filmes que fez para Manoel Oliveira. A homenagem inclui também a leitura de poemas e outros textos pelo próprio Luís Miguel Cintra e, após as projeções, haverá conversas com personalidades com quem se cruzou ao longo da carreira.

Austin também vai ser homenageada, mas não vai estar presente. Até porque isso seria impossível. Sim, o LEFFEST vai dedicar uma retrospetiva ao ótimo cinema que tem saído da cidade de Austin, no Texas, culpa de nomes como Richard Linklater, Robert Rodriguez, Jeff Nichols, Geoff Marslett, Andrew Bujalski e Mike Judge, para citar os principais exemplos. Ao todo recordam-se 13 filmes, alguns deles bastante recentes como “Resultados”, de Bujalski, e “Boyhood – Momentos de Uma Vida”, uma das obras mais faladas de 2014, pela tarefa hercúlea de Richard Linklater em filmar o crescimento real de um rapaz ao longo de 12 anos. David Gordon Green, que também escolheu Austin como morada, vai ver aqui a sua obra exibida na íntegra (“All the Real Girls” incluída).

Para quem quer estar ao lado das estrelas

O facto de o LEFFEST ter como diretor Paulo Branco, produtor com uma carreira internacional, ajuda a explicar como é que tantos nomes sonantes se concentram entre Lisboa e o Estoril durante uma semana. Wim Wenders, claro, será presença assídua enquanto um dos principais homenageados. O cinema alemão também estará bem representado com a presença de Hans-Jürgen Syberberg. O premiado realizador Nanni Moretti, que vem estrear o novo filme “Minha Mãe” na sessão de abertura do Monumental (dia 6 às 19h30) é outro dos convidados, assim como a artista e realizadora Laurie Anderson, também ela aqui a apresentar pessoalmente um novo filme, “Heart of a Dog”, no CCB, dia 14 às 21h30). Louis Garrel também faz parte do vasto leque de presenças, mas já lá vamos. É aproveitar: não é todos os dias que temos realizadores internacionais a apresentarem os seus filmes perante o público.

Para quem quer acompanhar novos realizadores desde o primeiro momento

Pela primeira vez, o LEFFEST cria uma secção exclusivamente dedicada a primeiras obras. Em “Promessas”, mostram-se ao público três filmes que se estrearam este ano e que foram também eles a estreia do seu autor. A começar com um nome português, o de Patrícia Sequeira, que, depois de duas curtas, se estreia nas longas-metragens com “Jogo de Damas“. A história segue um grupo de amigas, interpretadas por algumas das melhores atrizes portuguesas do momento, como Rita Blanco e Maria João Luís. Pode ser visto no dia 11, às 22h00, no Casino Estoril e no dia 14, às 21h30, no Cinema Medeia Monumental. Em ambas as datas, tanto a realizadora como o elenco vão estar presentes.

Se o nome Louis Garrel lhe soa familiar, é porque provavelmente já o viu num dos mais de 20 filmes que já fez enquanto ator. O filho do realizador francês Philippe Garrel estreou-se este ano a conduzir a longa “Les Deux Amis“, sobre um triângulo amoroso com uma reclusa em liberdade condicional. O filme será exibido no dia 12, às 19h00, na sala 4 do Cinema Medeia Monumental, e no final será possível conversar com este estreante já famoso.

Louis Garrel estreia-se na realização

A terceira e última obra da secção “Promessas” é “600 Millas“, do mexicano Gabriel Ripstein. Também ele já tem currículo no meio cinematográfico, enquanto argumentista e produtor, sendo que para a sua estreia na realização convidou Tim Roth para o principal papel, o de um agente que tenta capturar jovens contrabandistas de armas e acaba por ver-se refém de um deles. Para ver no dia 13, às 22h00, no Cinema Medeia Monumental.

Para quem quer ver mais do que cinema

Começamos por uma exposição, ou não fosse ela especial. Mais de 15 anos depois de Wim Wenders ter integrado os Encontros de Fotografia de Coimbra, o cineasta e fotógrafo alemão volta a ter uma exposição em Portugal. “À luz do dia até os sons brilham” instala no Reservatório da Mãe d’Água cerca de 30 fotografias tiradas no país entre 1980 e 1994, altura em que estava a preparar a rodagem dos filmes “O Estado das Coisas”, “Viagem a Lisboa” e “Até ao Fim do Mundo”. Inaugura no dia 7 de novembro, às 15h00, e ali fica até 2 de abril de 2016.

Nos espetáculos, destaque para “Eternal“. Daniel Fish reuniu os atores Christina Rouner e Thomas Jay Ryan para recriar, em vídeo, a última cena do filme “O Despertar da Mente”, de 2004, em que Michel Gondry nos fez imaginar como seria se pudéssemos apagar memórias. No dia 7, no Teatro D. Maria II, às 17h00 e às 21h00, vamos vê-los repetirem, durante duas horas, as falas de Joel e Clementine, numa espécie de ensaio aberto ao público e a experimentações.

Há várias conversas, masterclasses e momentos musicais, como a “Peça para piano a seis mãos” que os pianistas Piotr Anderszewski, Itamar Golan e Natsuko Inoué vão tocar, em homenagem ao poeta Arseni Tarkovsky, no dia 10, às 20h00, no Teatro D. Maria II. A programação paralela está toda aqui.

Para quem vai com crianças

No LEFFEST não há filmes para crianças, mas há um evento dedicado inteiramente a elas. Por que não começar já a alertar as crianças para uma condução segura? Com o intuito de sensibilizá-los para a prevenção rodoviária, os mais novos irão fazer pequenos filmes de animação sobre este tema, tendo por base o filme “Sim, Sr. Hulot”, de Jacques Tati. Entre 9 e 13 de novembro, o LEFFEST vai receber todas as manhãs um grupo diferente de 10 crianças. No final, sábado, dia 14, apresenta às crianças que participaram, pais e amigos, o resultado, no Espaço Nimas, às 16h00.

O 9.º Lisbon & Estoril Film Festival vai passar pelo Casino Estoril, Centro Cultural de Cascais, Casa das Histórias Paula Rego, Cinema Monumental, Espaço Nimas, CCB, Cinemateca, Teatro Nacional D. Maria II e Museu da Água. Os bilhetes para o CinemArt, sessões especiais, homenagens e retrospetivas custam cinco euros. Para a seleção oficial, antestreias e promessas, custam sete euros. Há ainda um passe para todos os filmes da seleção oficial que estão em competição, por 40 euros, e um passe que dá acesso a todas as sessões em todos os dias, por 120 euros. 

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)