Clima

Subida do nível da água do mar poderá fazer desaparecer casas de 760 milhões de pessoas

285

Grandes metrópoles da atualidade poderão ser muito diferentes daqui a um ou dois séculos, caso não se diminuam os níveis de poluição da atmosfera. Líderes mundiais tentam novo acordo este mês.

O centro de Londres completamente inundado, caso as temperaturas aumentem 4ºC

Climate Central

Autor
  • João Pedro Pincha

Mesmo que a temperatura global aumente apenas dois graus Celsius até 2100, o impacto em algumas megacidades costeiras vai ser bastante significativo. O nível da água do mar poderá subir tanto que certas zonas de cidades como Nova Iorque, Xangai e Bombaim, poderão ficar submersas, afetando a vida de, pelo menos, 130 milhões de pessoas. Se, no entanto, a temperatura aumentar quatro graus, como apontam as trajetórias atuais, a subida do mar poderá afetar entre 470 a 760 milhões de pessoas.

Estas conclusões constam de um estudo do Climate Central, uma organização científica sediada nos Estados Unidos da América que se dedica à análise das alterações climáticas e suas consequências. Este trabalho, que mapeou as principais zonas de risco em todo o mundo, é mais uma pressão aos líderes globais, que no fim deste mês vão estar reunidos em Paris para tentar definir novas metas para as emissões de dióxido de carbono e, assim, tentar reduzir o aumento da temperatura em dois graus Celsius. 

A China, que é atualmente o país que mais dióxido de carbono emite para a atmosfera, é também o país que mais tem a perder com a subida do nível da água do mar, conclui o estudo. Se a temperatura aumentar quatro graus, como os cenários atuais apontam, 145 milhões de pessoas poderão sair afetadas, enquanto se aumentar dois, o número desce para 64 milhões. Entre as megacidades que enfrentam mais problemas estão Xangai, Hong Kong, Calcutá, Bombaim, Jacarta, Hanói e Daca — todas na Ásia. No entanto, países como os Estados Unidos, o Brasil, a Holanda e o Egito também vão sentir repercussões da subida do nível da água do mar.

Numa das ferramentas com mapas interativos disponibilizada pelo Climate Central é possível ver o impacto da subida do mar em todas as zonas do globo. Para Lisboa, por exemplo, prevê-se que a água suba 1,5 metros até 2190 se se mantiverem os atuais níveis de poluição da atmosfera. Por essa altura, zonas como Alcântara, Santa Apolónia e o Beato estarão submersas.

A equipa fez algumas montagens fotográficas para mostrar como algumas cidades vão ficar, previsivelmente a partir daqui a dois séculos.

Nova Iorque

Londres

Rio de Janeiro

Sydney

Bombaim

Xangai

Durban

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Clima

As crianças que lutam por um mundo pior /premium

Alberto Gonçalves
1.402

Na idade da menina Alice e do menino Gil, fiz diversas greves à escola a pretexto do clima: mal o sol aquecia, trocava as aulas pela praia. Faltou-me ser entrevistado pelos “media”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)