O PSD entregou a presidência das comissões parlamentares que lhe cabe aos principais dirigentes do partido ou aos deputados mais próximos do líder. A vice-presidente do PSD Teresa Leal Coelho, que antes estava com os Assuntos Constitucionais, será presidente da Comissão de Finanças, a primeira comissão escolhida pelo PSD. O vice-presidente Marco António Costa, que na legislatura passada não era deputado, fica a presidir à Comissão de Defesa. O secretário-geral do PSD, José Matos Correia, fica com a Comissão de Saúde.

O ex-chefe de gabinete de Passos no PSD e ex-secretário de Estado-adjunto do ministro-adjunto no Governo Barroso-Portas, Feliciano Barreiras Duarte, presidirá à Comissão de Trabalho. Regina Bastos, que voltou nesta legislatura a ser deputada e que já integrou o Governo de Santana Lopes como secretária de Estado da Habitação, será presidente da Comissão de Assuntos Europeus.

Na distribuição das presidências das comissões, o BE ficou com a do Ambiente (o lugar de presidente será ocupado por Pedro Soares). A comissão de Economia e Obras Públicas é presidida pelo centrista Hélder Amaral. As restantes comissões serão presididas pelo PS.

Costa não puniu Sousa Pinto

António Costa entregou a comissão de Assuntos Constitucionais ao constitucionalista Pedro Bacelar Vasconcelos, que se estreia como deputado, a Educação a Alexandre Quintanilha, que também é deputado pela primeira vez, a Cultura à ex-eurodeputada Edite Estrela e a Agricultura ao ex-ministro e ex-eurodeputado Capoulas Santos.

Sérgio Sousa Pinto é o único presidente de comissão que transita da anterior legislatura. Apesar de se ter demitido do secretariado do PS em choque com a estratégia de Costa em se unir aos partidos da esquerda, o deputado não foi afastado do cargo.

Os presidentes das comissões parlamentares têm um acréscimo de 15% nas despesas de representação.