Rádio Observador

Livros

Pintainho, negrola ou tagaz: conheça as 65 aves marinhas portuguesas

395

Fazia ideia que existiam 65 espécies de aves marinhas e costeiras em Portugal? E que dessas, nove são gaivotas. Conheça-as no novo "Atlas das Aves Marinhas de Portugal", editado pela SPEA.

Quem não viu já gaivotas na praia? Ou até guinchos. Ou mesmo corvos-marinhos. São alguns exemplos das 65 espécies de aves marinhas e costeiras que existem em Portugal, confirmadas por um trabalho de censos conduzido ao longo de oito anos. O “Atlas das Aves Marinhas de Portugal” será apresentado na segunda-feira, dia 16 de novembro, às 18 horas, no Oceanário de Lisboa. Este atlas poderá ser consultado tanto em formato de livro como na página do projeto (ainda em teste) e destina-se não só a cientistas como ao público em geral.

As aves marinhas representam o grupo de aves mais ameaçado do mundo”, refere a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA). “Grande parte delas enfrentam um declínio acentuado e é urgente combater esta situação, pelo que a presente obra representa um passo fundamental para o conhecimento das aves marinhas portuguesas.”

Embora muitas destas aves não apareçam apenas na costa portuguesa, este atlas representa a “mais completa e detalhada caracterização até hoje realizada da distribuição e abundância das aves marinhas e costeiras que utilizam as águas portuguesas”. A SPEA afirma mesmo que não existe um trabalho comparável no espaço europeu.

O ‘Atlas das Aves Marinhas de Portugal’ vem trazer um novo olhar sobre a presença de 65 espécies de aves nas nossas águas portuguesas, em que se descreve e ilustra graficamente a distribuição de aves marinhas em Portugal”, diz Ana Meirinho, assistente do Programa Marinho da SPEA e uma das autoras do livro.

Com “censos marinhos, censos costeiros, dados de tracking (seguimento individual de aves), observações pontuais, dados das colónias” e “informação por espécie, época do ano e região”, foram precisos dois anos desde o início da conceção do livro até que finalmente é apresentado ao público.

Este Atlas está destinado a ser um exemplo a seguir no mundo da ornitologia marinha. Não só pela quantidade e qualidade dos dados, mas também porque é o primeiro que combina uma publicação “tradicional” e uma plataforma interativa (atlasavesmarinhas.pt) que permitirá conhecer e divulgar mundialmente a distribuição de todas as espécies, algumas das quais extremamente raras de ver no mar. Como co-autor, só me posso sentir afortunado por poder fazer parte desta iniciativa”, diz Iván Ramirez, coordenador do grupo de conservação na Europa e Ásia central da Birdlife.

Algumas espécies representadas no livro:

Alcatraz – as maiores colónias encontram-se nas ilhas britânicas, mas o alcatraz também pode ser encontrado em toda a costa continental portuguesa.

Casquilho – é uma espécie muito comum nas águas nacionais, mas só muito raramente é avistada a partir de terra.

Corvo-marinho – apesar do nome, o corvo-marinho pode usar também os rios e albufeiras, como a albufeira do Alqueva onde nidifica.

Galheta – pode ser encontrada desde a Rússia, passando pela Islândia, até Marrocos. Em Portugal, concentra-se sobretudo no arquipélago das Berlengas.

Negrola – é um dos poucos patos marinhos que aparece regularmente em Portugal, às vezes em grandes bandos, como em Aveiro onde podem chegar às várias centenas de indivíduos.

Pardela-balear – esta espécie nidifica apenas nas ilhas Baleares, em Espanha, mas fora deste período pode ser encontrada em Portugal continental.

Pintainho – nidifica nas ilhas e, ao contrário do grupo ao qual pertence, não realiza migrações de grande escala.

Tagaz – em Portugal continental nidifica a sul do Tejo em colónias isoladas no interior do país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)