Presidenciais 2016

Presidenciais: António Silva quer ser o presidente de todos e seguir Humberto Delgado

O ex-militar António Silva, 63 anos, apresentou a sua candidatura à Presidência da República, cargo que pretende exercer pelos portugueses, sem partido, com "pulso" e seguindo a ideologia do general Humberto Delgado.

O ex-militar António Silva, 63 anos, apresentou a sua candidatura à Presidência da República, cargo que pretende exercer pelos portugueses, sem partido, com “pulso” e seguindo a ideologia do general Humberto Delgado.

“Serei o presidente de todos os portugueses mas não de uma só cor”, afirmou à Lusa o candidato a Belém independente cuja campanha “será feita só com a bandeira nacional” e sem cores partidárias.

Sobre o momento atual na vida política do país, o ex-militar da Força Aérea explicou que “não pactuaria” com a coligação PSD/CDS-PP porque “não governou como prometeu ao eleitorado”.

“Eu de imediato indigitaria António Costa e acabava com esta fantochada. E depois punha-me atento. Acaso achasse que não estavam a cumprir com o programa eu correria com eles de lá para fora”, destacou.

Perante uma dezena de apoiantes, António Silva prometeu que se vencer as eleições irá não só “cumprir e fazer cumprir a Constituição”, mas também atuar junto de qualquer governo que não cumpra com o que prometeu ao eleitorado.

“Não pactuarei com o regime, ou seja, quero seguir os passos do general Humberto Delgado, que também foi militar. Quero seguir a ideologia desse senhor [e] estar ao lado do povo”, frisou o antigo militar que contou ter colaborado com a revolução do 25 de Abril.

O candidato quer também “obrigar a retornar a riqueza” que existiu em Portugal e assegura que irá “obrigar a que os políticos (…) cumpram e colaborem com o povo português”.

António Silva disse ainda pretender “garantir estabilidade ao país, garantir à população portuguesa que tem alguém do lado dela”.

“Tenho 63 anos e enquanto estiver cá irei salvaguardar a nação e o povo português. É essa a intenção da minha candidatura”, destacou o candidato que disse já ter ultrapassado as 7.500 assinaturas necessárias para formalizar a sua candidatura junto do Tribunal Constitucional.

Questionado sobre as razões que o levaram a apresentar agora esta candidatura, António Silva explicou ser por não estar a ver conseguidas as razões que levaram os militares arriscar e lutar no 25 de Abril.

“Ainda estamos pior que antes do 25 de Abril”, lamentou.

Para o candidato, qualquer governo “terá que respeitar os jovens, os militares e os idosos”, prometendo “ser um Presidente da República de pulso” que não irá pactuar “com a corrupção e os seus mentores”.

O antigo militar disse também que “gostaria que alterassem a Constituição para acabar com a imunidade política” e acrescentou: “Se um militar, um civil é condenado por qualquer crime que seja, porque não condenar os outros?”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)