271kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Os cinco ataques terroristas de radicais islamistas mais sangrentos na Europa

Este artigo tem mais de 5 anos

Antes do Estado Islâmico, também a Al-Qaeda tinha feito vítimas na Europa. O Hezbollah faz igualmente parte desta sangrenta lista do radicalismo islamista. Trazemos à memória cinco atentados.

11 de março de 2004. Um atentando da Al-Qaeda vitimou 192 pessoas e fez mais de dois mil feridos na estação de metro de Atocha, em Madrid
i

11 de março de 2004. Um atentando da Al-Qaeda vitimou 192 pessoas e fez mais de dois mil feridos na estação de metro de Atocha, em Madrid

CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images

11 de março de 2004. Um atentando da Al-Qaeda vitimou 192 pessoas e fez mais de dois mil feridos na estação de metro de Atocha, em Madrid

CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images

Os atentados às duas torres do World Trade Centre, em Nova Iorque, a 11 de setembro de 2001, mais do que fazer de Osama bin Laden o homem a abater pelos Estados Unidos e da Al-Qaeda uma organização terrorista à escala planetária, esses atentados trouxeram uma suspeição.

A Europa também estaria sob ameaça? A verdade é que sim. E isso confirmar-se-ia a 11 de março de 2004, na estação de metro de Atocha, em Madrid. A rede terrorista Al-Qaeda reclamou a autoria dos atentados que vitimaram 191 pessoas. Foi o primeiro e maior atentado daquela organização na Europa. Seguiu-se-lhe outro, pouco depois: as explosões no metro de Londres em 2005.

O autoproclamado Estado Islâmico (EI) só começou a fazer-se reconhecer pelo medo na Europa em meados deste ano. E logo com a invasão da redação do jornal satírico francês Charlie Hebdo. Mas não sossegou por aqui no velho continente: já em outubro, na Turquia, um ataque suicida matou mais de uma centena de pessoas em Ancara.

Outro atentado, em 2012, na Bulgária, e que fez sete mortos no aeroporto de Burgas, não foi reivindicado nem pela Al-Qaeda nem pelo EI, mas pela organização paramilitar xiita (e sediada no Líbano) Hezbollah.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.