Ser feliz ou não ser é uma das grandes questões que assolam a maioria das pessoas. Se não é feliz, o que fazer para o ser? O jornal espanhol El Confidencial cita o livro ‘Autoestima automática’ da psicóloga especializada em autoestima Silvia Congost para explicar como se pode melhorar a visão que temos de nós próprios. Porque, sem isso, a felicidade não é possível.

A autora parte do exemplo de Victor Frankl, um conhecido psiquiatra e neurólogo austríaco esteve preso, em 1942, num campo de concentração nazi pela sua condição de judeu juntamente com a mulher e os pais. Foi o único a sobreviver. Depois da sua libertação, em 1945, regressou a Viena e escreveu a obra “Um Homem em Busca de Sentido” onde revivia tudo o que passou. Mas a maior lição dada pela obra de Frankl é a de, com a consciência de que é impossível mudar a realidade, decidir alterar o seu pensamento bem como a interpretação de acontecimentos ocorridos anos antes.

Desta maneira a autora deixa 6 passos para conseguir uma transformação à semelhança do austríaco:

  • Deixar de queixar-se e superar os momentos difíceis ou traumáticos: isto é, tal como Frankl, depois de acontecer algo muito doloroso que nos manda abaixo com uma facilidade impressionante, o que se deve ter é a consciência de que não se pode alterar a realidade. Devemos, por isso, deixar de nos queixar e de nos vitimizar. No fundo, aceitar a realidade é fundamental para podermos avançar com a vida.
  • Procure as suas próprias capacidades: depois de aceitar a realidade tal como ela é, devemos procurar os nossos pontos fortes e capacidades. Pois é isto que nos vai ajudar a sair desta espécie de buraco negro.
  • Pensar de maneira construtiva: é muito importante não se ir abaixo quando algo não acontece como se queria. Devemos aprender a ver os problemas e as crises como oportunidades para melhorar a nossa vida. 
  • Envolva-se mais: envolva-se mais nas suas relações pessoais. Preocupe-se e tente cuidar delas. Silvia Congost explica que somos seres sociais e que necessitamos de nos relacionar.
  • Seja assertivo e autênticonão tente ser o que não é. Seja autêntico e diga o que pensa e tente ser uma pessoa assertiva e honesta, consigo mesmo, e também com os outros.
  • Atue: seja proativo perante as dificuldades. Não se acomode na tristeza e siga em frente. É o que aconselha Silvia Congost, explicando ainda que devemos redefinir os nossos objetivos e metas.