Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O juiz espanhol Jose de la Mata emitiu um mandado de captura efetivo contra o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e outros seis elementos do seu atual e anteriores governos. Ou seja, se qualquer um destes homens entrar em Espanha correm será detido. Foram estas as ordens dadas quer à polícia quer à Guarda Civil do país.

De acordo com o que conta o Latin American Herald Tribune este mandado, que diz respeito ao massacre do grupo “Flotilha da Liberdade” em 2010, engloba, para além de Netanhayu, o antigo ministro da Defesa, Ehud Barak; o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Avigdor Lieberman; o então ministro dos Assuntos Estratégicos, e atual ministro da Defesa, Moshe Ya’alon; o antigo ministro do Interior, Eli Yishai; o então ministro sem pasta, Benny Begin; e o vice-almirante, e responsável pela operação, Maron Eliezer.

O Tribunal Nacional de Espanha abriu um processo que remete ao ataque das forças militares israelitas contra o barco “Mavi Marmara”, que transportava 500 ativistas do grupo “Flotilha da Liberdade” com ajuda humanitária e materiais de construção com a intenção de os levar à Faixa de Gaza durante o bloqueio israelita. A defesa de Israel atacou a navegação matando 10 ativistas.

Um porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Emmanuel Nachshon, já reagiu e, em declarações ao Jerusalem Post, disse “considerar uma provocação [o mandato de captura]. Estamos a trabalhar com as autoridades espanholas para cancelá-la. Esperamos que termine em breve”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR