Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Longe dos palcos políticos há mais de um ano, António José Seguro dedicou-se à vida académica. Esta quarta-feira defendeu a dissertação de mestrado no ISCTE e conseguiu uma nota de 18 valores. 

O ex-líder socialista apresentou uma tese sobre a reforma do Parlamento entre os anos de 2007 e 2014. A intenção de Seguro era fazer uma análise sobre o controlo político dos atos do Governo. E concluiu que a reforma da Assembleia da República permitiu um maior escrutínio das ações governativas por parte das oposições no Governo.

António José Seguro conhecia de perto a reforma em causa, aliás, foi ele o autor das alterações no Parlamento com a introdução, por exemplo, dos debates quinzenais e não apenas mensais. 

A dissertação foi analisada por um júri composto por Ana Belchior (presidente), Manuel Meirinho Martins (que foi eleito deputado na anterior legislatura pelo PSD tendo renunciado para ocupar o lugar de presidente do ISCSP, que fez o papel de arguente), e por André Freire, o orientador da tese.

A dissertação será publicada em livro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR