Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

David Niles, um homem de 72 anos, natural de Wyoming (Estados Unidos), estava desaparecido desde 11 de outubro de 2006. O homem saiu de casa nesse dia, entrou no carro e dirigiu-se a um bar próximo. A partir daí nunca mais foi visto e a família já perdera a esperança não apenas de o encontrar com vida, como de encontrar o corpo.

Mas no passado dia 10 de novembro o automóvel foi encontrado, com os restos mortais de David Niles no interior. A curiosidade é que o veículo estava visível no Google Maps desde que a imagem do local foi captada por satélite. E ainda hoje pode ser visto.

O veículo estava há nove anos submerso numa pequena lagoa, situada junto a um centro crematório da cidade de Grandville (Michigan). Quem o encontrou foi um morador próximo, que estava naquele momento a decorar uma árvore de Natal e de súbito avistou o automóvel. “De repente foi tipo, caramba, está ali um carro (…) Nunca ninguém o conseguiu ver”, contou o morador esta terça-feira à estação norte-americana Wood TV.

A família já o dera como morto em 2011. Na altura, escreveram no obituário do desaparecido a seguinte mensagem: “David Lee Niles, de 72 anos, de Wyoming, faleceu e só Deus sabe onde e quando”. Não foi apurado se o homem, que sofria de cancro e tinha depressões regulares, morreu num acidente ou se suicidou. E é possível que permaneça um mistério, segundo o xerife do condado de Kent, Ron Gates: “Não sei se alguma vez conseguiremos determinar se [a morte] é acidental ou é suicídio”, disse o agente, citado pela Wood Tv.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR