Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Gangster”, “reviralho”, “ressabiamento”. Não, isto não são argumentos de uma discussão dos tempos quentes do PREC. São trocas de palavras de agora, motivadas pela indefinição sobre se António Costa será ou não o futuro primeiro-ministro, com o apoio do PCP e BE. O ambiente está crispado, dizem, e é verdade.

Senão, vejamos. O deputado socialista Tiago Barbosa Ribeira apelidou o Presidente da República (PR) de “gangster”, em reação às declarações em que Cavaco Silva comparava a atual situação política à de 2011, tendo-se apressado a pedir desculpa no dia seguinte. Em relação às mesmas declarações do PR, Gabriela Canavilhas, colega de bancada de Barbosa Ribeiro e ex-ministra da Cultura, subscreveu um comentário em que o autor chama “múmia” a Cavaco Silva. Já Catarina Martins acusou Cavaco Silva de se comportar como um “líder de seita”, aquando da indigitação de Passos Coelho. Por seu lado, a Associação 25 de Abril, em comunicado assinado por Vasco Lourenço, afirmou que Cavaco Silva, por indigitar Passos Coelho como primeiro-ministro, estava a comporta-se como um “chefe de fação”.

Já o bloquista Francisco Louçã considerou que o pedido de revisão constitucional de Passos Coelho (para pode haver já eleições antecipadas) era “uma garotice”, e António Costa disse esperar que “o ressabiamento nervoso da direita”, em vésperas da aprovação da moção de rejeição que fez cair o Governo de coligação de direita, passasse. Passou? Não parece.

No entanto, os insultos também se vierem da direita em direção à esquerda. Passos Coelho, no âmbito da privatização da TAP, acusou a esquerda de ter um “programa estrutural de reversão da economia”, o qual apelidou de “reviralho”. O ex-ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou que um governo de esquerda, de quem perdeu, seria “uma obscenidade política”. Já nas palavras da ex-líder do PSD Manuela Ferreira Leite, na altura em que se começou a discutir a ideia dos acordos à esquerda, a aliança corresponderia “a um verdadeiro golpe de Estado”. 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E não parou. Aquando da discussão do programa de Governo, Paula Teixeira Cruz, ex-ministra da Justiça, afirmou que os partidos de esquerda “engendraram um dos mais perigosos embustes”. Nas palavras do deputado do CDS Telmo Correia, foi “uma manigância” e o líder do CDS Paulo Portas argumentou: “Isto não é bem um Governo, é uma geringonça”. O eurodeputado Paulo Rangel foi mais longe e acusou António Costa de “medo e de cobardia”, por não ter discursado no primeiro dia da discussão do programa de Governo da coligação. 

Ilustração de Milton Cappelletti

*Texto editado por Helena Pereira