O Norte de Portugal e a Galiza querem aproveitar fundos comunitários 2020 para normalizar e melhorar os caminhos de Santiago até Compostela, que carecem de uma abordagem integrada, avançou esta sexta-feira a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional.

“O memorando [hoje assinado] estabelece compromissos, um deles é uma abordagem integrada dos caminhos de Santiago a partir da qual se está a preparar um projeto para apresentar candidatura a fundos europeus de cooperação transfronteiriça”, afirmou à Lusa o vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

Carlos Neves falava no final da cerimónia de assinatura de um memorando entre a Agência de Turismo de Galiza e o Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) que estabelece as bases e os critérios para futuras ações conjuntas de colaboração com vista a valorizar os seus recursos turísticos.

As duas entidades pretendem desta forma “favorecer um melhor conhecimento da Eurorregião Galiza-Norte de Portugal e valorizar a sua riqueza e diversidade turísticas além-fronteiras”, refere comunicado da CCDR-N que promoveu o encontro de hoje.

De acordo com Carlos Neves, o memorando assinado foi uma forma de “formalizar um laço de cooperação de longa data” e “criar uma relação vinculadora e um compromisso de cooperação muito importante”.

Com esta colaboração, a Agência de Turismo da Galiza e o TPNP preveem, entre outras ações, estabelecer uma dinâmica de intercâmbios regulares e trocar informações de planos estratégicos e de marketing do território, com vista a definir áreas de trabalho comuns.

As entidades ambicionam também estabelecer uma colaboração na definição e gestão dos Caminhos de Santiago no território português, para assegurar uma identidade única em questões como a sinalética, a comunicação ou a política de albergues.

“Há que normalizar [a sinalética, cartografia e descritivo histórico] e perceber que entidades têm responsabilidades de estabelecer políticas e gerir o património”, assinalou o responsável, destacando o “principal eixo estrutural da [estratégia traçada no memorando] que é o caminho português de Santiago”.

Para Melchior Moreira, da TPNP, “o acordo hoje assinado é mais uma evidência da estratégia que a Turismo do Porto e Norte tem seguido: a procura de sinergias entre parceiros públicos e privados no sentido de criar uma rede que permita abraçar projetos mais ambiciosos que sustentem o turismo e a economia no destino Porto e Norte e no país”.

“A ligação com a Galiza tem-se estreitado nos últimos anos. É notório o interesse que o Porto e Norte desperta nos galegos e a importância das visitações ao nosso território é demasiado marcante para não unirmos mais-valias, seja em casos concretos como candidaturas a fundos europeus de cooperação transfronteiriça seja na afinação das dinâmicas dos planos estratégicos que afunilem em áreas comuns”, realçou.

O protocolo foi hoje assinado na Direção Regional de Cultura do Norte, no Porto, por Nava Castro Domínguez, diretora da Agência de Turismo da Galiza, e por Melchior Moreira, presidente do TPNP.

No memorando está ainda presente a intenção de serem exploradas iniciativas conjuntas relacionadas com o turismo, a saúde e com o rio Minho e a preparação de candidaturas às diferentes convocatórias de fundos europeus.