Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Passou uma semana dos atentados de 13 de novembro — o dia mais sangrento de França desde a Segunda Guerra Mundial e o ataque mais mortífero em solo europeu na última década. Fomos às ruas de Paris perguntar às pessoas o que sentem uma semana depois de terem morrido 130 pessoas às mãos de um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico. Ódio, dor, confusão. E uma necessidade de voltar a viver de forma normal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR