O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse na terça-feira que a China deverá investir cerca de 939.000 milhões de euros além-fronteiras nos próximos cinco anos e importar matérias-primas num valor dez vezes superior. Li Keqiang, que falava à margem de um fórum económico e comercial entre a China e os países do centro e leste da Europa, lembrou que, apesar do abrandamento da economia chinesa, o volume do crescimento tem aumentado todos os anos.

A economia do país registou no terceiro trimestre deste ano o crescimento mais baixo desde o pico da crise financeira internacional (6,9%), mas dentro da meta do governo chinês para 2015, “cerca de 7%”.”Desde que a economia continue a crescer acima dos 6,5% ao longo dos próximos anos, estaremos próximos de ser um país de rendimento elevado em 2020″, referiu, perante os líderes de 16 países, desde a Albânia à Estónia.

“Isto proporcionará mais oportunidades para o mundo, incluindo para os países do centro e leste da Europa”, acrescentou, apontando que o comércio entre a China e aquele grupo de nações excedeu os 60 mil milhões de dólares no ano passado.

O primeiro-ministro disse ainda que a China poderá apoiar os países da região com financiamento destinado a modernizar o sistema de transportes, produção elétrica, equipamento industrial e outras áreas. “Desde que utilizem equipamento e produtos chineses, a China irá oferecer condições de financiamento mais flexíveis”, frisou.

Segunda maior economia mundial, a seguir aos Estados Unidos da América, a China é também o terceiro maior emissor de investimento direto estrangeiro.

Durante o fórum de dois dias, os líderes irão ainda discutir a iniciativa chinesa “Um Cinturão e Uma Rota”, um gigante plano de infraestruturas que pretende reativar a antiga Rota da Seda entre a China e a Europa.