Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Xyza Cruz Bacani, de 27 anos, acabou de ser considerada uma das 100 Mulheres do Ano pela BBC (BBC’s 100 Women of 2015) .A lista refere as 1oo mulheres mais inspiradoras do ano e há nomes de todo o mundo e de áreas tão distintas como a representação, o mundo dos negócios, da saúde, da política e das artes. Mas Xyza Cruz Bacani é difícil de encaixar numa categoria profissional.

Atualmente é fotógrafa, mas começou a trabalhar como empregada doméstica aos 19 anos. Natural de Nueva Vizcaya, nas Filipinas, emigrou para Hong Kong em 2006 para se juntar à mãe, que já exercia a mesma profissão na ex-colónia britânica, conta o Asian Journal. Bacani e a mãe fazem parte das cerca de 330 mil empregadas domésticas de origem filipina e indonésia que prestam serviços na China, segundo The Huffington Post.

xyza cruz bacani1

Créditos: www.xyzacruzbacani.com

Xyza Cruz Bacani começou a tirar fotografias não só porque desejava mostrar a realidade do trabalho doméstico mas também porque desejava “mostrar o mundo” à mãe que passa muitas horas a trabalhar e raramente sai à rua. Quando lhe disse que queria comprar uma máquina fotográfica, a mãe tentou demovê-la. “A fotografia é apenas para pessoas ricas,”, refere o Quartz.

Xyza Cruz Bacani persistiu e conseguiu. Em 2009, pediu um empréstimo ao patrão para comprar a máquina, que lhe custou o equivalente a dois meses de salário. Começou a fotografar como autodidata e a sua técnica de eleição são os retratos a preto e branco.

xyza cruz bacani2

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Créditos: www.xyzacruzbacani.com

O ano passado, Xyza Cruz Bacani candidatou-se e ganhou uma bolsa da fundação Magnum de Direitos Humanos (2015 Magnum Foundation Human Rights Fellowship) que lhe permitiu realizar um curso de fotografia de seis semanas em Nova Iorque.

O trabalho fotográfico de Xyza Cruz Bacani foca-se na representação dos trabalhadores domésticos – uma realidade que conhece por dentro, devidos aos seus 10 anos de experiência como empregada doméstica – mas provoca reflexões sobre os direitos humanos em Hong Kong, bem como o tráfico de pessoas. Xyza Cruz Bacani já ganhou vários prémios e o seu trabalho já foi publicado em várias publicações de renome, tais como o New York Times Lens Blog, a CNN ou a Wondereur. O seu desejo? Continuar a fotografar e ser a primeira fotógrafa filipina da prestigiada agência Magnum. Pode acompanhar o trabalho de Xyza Cruz Bacani na sua conta de Instagram, aqui.