Duas caras e duas realidades. A maioria da população no Irão tem dois lados: aquele que exibe em público e que está sujeito às regras da República Islâmica, e aquele que utiliza em casa. As mulheres não podem largar o hijab e os homens, embora com regras mais leves, também estão sujeitos a várias diretrizes que limitam a liberdade de se vestirem como querem, revela o El Mundo.

Mas os jovens iranianos querem defender quem são na realidade. Uma jovem decidiu criar uma conta no Instagram para lançar o #KarteMeliChallenge, que traduzindo quer dizer o desafio do bilhete de identidade. A ideia é incentivar e desafiar os jovens a tornar públicas as imagens do seu bilhete de identidade, que apresentam rostos vazios e sombrios, ao lado da sua imagem real.

1

As imagens a preto e branco contrastam com as fotografias em que os jovens mostram o seu melhor lado, ou seja, aquele que preferem. A imagem do bilhete de identidade apresenta rostos pálidos e sem expressão, enquanto as fotografias “reais” revelam o lado mais descontraído dos jovens, através do qual afirmam a sua singularidade. Desde penteados modernos, a acessórios, a maquilhagem, a tatuagens, os jovens revelam os seus estilos e gostos.

2

3

6

Em 1979, com a Revolução Iraniana que deitou abaixo a monarquia, a sociedade iraniana foi forçada a assumir um maior conservadorismo com a chegada do aiatola Khomeini.

O El Mundo explica que esta não é a primeira vez que os jovens utilizam as redes sociais para uma espécie de “grito de liberdade”. Foi criada no ano passado uma página no facebook, My Stealthy Freedom Campaing, que incentivava várias jovens iranianas a publicar selfies sem burca, com o cabelo solto, e que atraiu milhares de seguidoras.

5