Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

José Mourinho fez uma pausa nos mind games do futebol para falar sobre a situação política de Portugal. E para comentar a nomeação do primo, Ricardo Mourinho Félix, para secretário de Estado Adjunto do Tesouro e das Finanças no novo governo socialista liderado por António Costa.

Em declarações ao Diário Económico, o treinador foi taxativo: “Tento estar informado e gosto de estudar um pouco diversas áreas de conhecimento que estou longe de dominar, mas nunca me viram em grandes comentários e muito menos em campanhas. Somos primos, mas isso não significa que sejamos muito íntimos ou que compartilhemos ideais políticos.”

Depois desta breve declaração no campo político, o técnico do Chelsea passou rapidamente para o relvado e para o futebol para antever o duelo com o FC Porto que decidirá a passagem para os oitavos de final da Liga dos Campões: “Em condições normais, um segue na Champions e outro irá para a Liga Europa. Sempre disse que o Dínamo Kiev é uma boa equipa, muito equilibrada e perigosa, normalmente ganhará ao Macabi e segue na Champions League. Nós, depois de perdermos no Porto e empatar em Kiev, já adivinhávamos que teríamos de decidir tudo no último jogo”

O futebol português também mereceu destaque. Sobre o tenso duelo entre Benfica e Sporting que tem marcado a atualidade desportiva em Portugal o “special one” admite que “gosto muito da luta desportiva com os três grandes lado a lado” mas, para além disso, “não comento os problemas, as palavras, as posições” porque, para o português o mais importante é a “sensação de que Benfica, Sporting e Porto lutarão palmo a palmo pelo titulo.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR