Várias centenas de manifestantes partiram da praça Martim Moniz, em Lisboa, em direção à Alameda, numa marcha em defesa do clima que junta ambientalistas e famílias que empunham cartazes verdes.

Muitos chegaram à concentração de bicicleta, alguns com as crianças na parte de trás do velocípede, e todos queriam transmitir aos responsáveis políticos – portugueses, mas principalmente internacionais – que é indispensável avançar com medidas para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e assim travar as alterações climáticas.

A Marcha Global pelo Clima em Lisboa é uma das que se estão a realizar hoje por todo o mundo, incluindo noutras cidades portuguesas, para chamar a atenção dos líderes políticos que vão estar na segunda-feira em Paris na sessão de abertura da conferência das Nações Unidas (ONU) para o clima, que vai decorrer até ao dia 11 de dezembro.

A presença da polícia é discreta, estando alguns agentes com motos e três carros visíveis.

Esta iniciativa foi promovida pela Academia Cidadã sob o mote “Muda o sistema, não o clima!”. A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza associou-se a este movimento internacional.

Os Verdes também integram a Marcha pelo Clima, com a presença de, entre outros militantes e simpatizantes do PEV, Heloísa Apolónia, deputada ecologista, e Manuela Cunha, membro da Comissão Executiva dos Verdes.