O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, ordenou hoje o fim da participação da União Europeia (UE) no processo de paz com os palestinianos, depois da aprovação de uma diretiva comunitária relativa à etiquetagem dos produtos oriundos da Palestina.

Netanyahu, que acumula também a pasta dos Negócios Estrangeiros, deu instruções a esse ministério para “reavaliar a implicação” da UE no “diálogo político” com os palestinianos devido à diretiva comunitária que foi aprovada este mês e que cujo cumprimento é vinculativo para os 28 Estados-membros.

“O primeiro-ministro ordenou a suspensão dos contactos diplomáticos com as instituições da UE e seus representantes” sobre o processo de paz até que seja finalizado o processo de reavaliação pedido por Netanyahu, segundo um comunicado oficial citado pela agência de notícias espanhola EFE, que não detalha quais as instituições afetadas por esta decisão.

O documento assinalou que a medida “é uma consequência da [nova] etiquetagem” de produtos oriundos dos territórios ocupados por Israel em 1967 e que “é importante clarificar que Israel mantém diálogos diplomáticos com distintos países europeus, mas não com as instituições da UE” sobre esta matéria.