Recursos Naturais

GNR regista em 2015 uma das maiores apreensões de meixão dos últimos cinco anos

A GNR recuperou em 2015 cerca de 300 quilos de meixão capturado ilegalmente em Portugal, uma das apreensões mais elevadas dos últimos cinco anos.

PAULO NOVAIS/LUSA

A GNR recuperou em 2015 cerca de 300 quilos de meixão capturado ilegalmente em Portugal, uma das apreensões mais elevadas dos últimos cinco anos, segundo dados oficiais provisórios a que a Lusa teve acesso.

A investigadora Isabel Domingos, do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, disse à agência Lusa que as quantidades apreendidas este ano correspondem a mais de um milhão de enguias minúsculas, que acabam por ser devolvidas aos seus habitats.

Cada angula (enguia bebé) pesa em média 0,30 gramas, “o que significa que um quilo corresponde a cerca de 3.300 indivíduos”, ou talvez um pouco mais, calculou a especialista.

“As apreensões ocorrem com mais frequência no rio Mondego e no rio Tejo”, informou uma fonte da Divisão de Comunicação e Relações Públicas (DCRP) da GNR, indicando que este ano, até 27 de novembro, contabilizou 305,16 quilos de meixão apreendido na área da sua responsabilidade.

Ao todo, até sexta-feira, a Guarda Nacional Republicana, através da Secção de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) e da Unidade de Controlo Costeiro (UCC), apreendeu, desde 2011, mais de uma tonelada (1.021,28 quilos) de larvas de enguia, com a seguinte distribuição: 308,48 quilos (2011), 178,19 (2012), 184,63 (2013), 44,82 (2014) e 305,16 (2015).

O ano que está a terminar também regista até agora um dos mais elevados números de artes de pesca, designadamente redes, confiscadas: 323, contra 329 em 2011, 47 em 2012, 460 em 2013, 89 em 2014, num total de 1.248.

Desde 01 de janeiro de 2011, a DCRP da GNR contabilizou 214 crimes relacionados com a apanha ilegal de meixão, tendo sido levantados 328 autos de contraordenação.

No entanto, das 58 detenções efetuadas no mesmo período, apenas cinco são relativas a este ano.

Espanha, onde a iguaria é muito apreciada à mesa e tem, por isso, grande valor económico, é um dos principais destinos do meixão pescado ilegalmente em Portugal. No entanto, nem todo o meixão fica em Espanha.

“A nível internacional, são conhecidas redes que operam com um grau de organização considerável”, admite a GNR.

Já a nível local e regional, os casos conhecidos, “usualmente com pouca organização”, servem geralmente “apenas para obter maiores proveitos económicos” dos pescadores furtivos.

“Existem redes com ligações principalmente a Espanha, o principal mercado de escoamento”, afirma a GNR, estimando que o preço por quilo de meixão “na origem pode rondar os 300 euros e no destino cerca de 500 euros”.

Maioritariamente, é “escoado para países com maior poder económico” do norte da Europa e da Ásia, além de Espanha, “para ser consumido como iguaria”.

Para combater a captura e comercialização ilegal das larvas de enguia, a GNR mantém alguma cooperação internacional, “em especial com Espanha”, através do Servicio de Protección de la Naturaleza (SEPRONA) da Guardia Civil.

O rio Minho “é o único local onde é permitida” a captura do meixão, mas “com alguns condicionalismos”, sendo a foz dos restantes rios portugueses, “em especial a norte do Tejo”, os locais “com registo de maior captura” ilegal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)