Rádio Observador

Diplomacia

Há muita retórica e pouca ação na valorização da língua portuguesa

O coordenador do congresso internacional "Língua Portuguesa: uma Língua de Futuro", Carlos Reis, afirmou em Coimbra que "falta vontade política" e ação por parte dos países e entidades responsáveis na difusão e valorização da língua.

JOAO RELVAS/LUSA

O coordenador do congresso internacional “Língua Portuguesa: uma Língua de Futuro”, Carlos Reis, afirmou em Coimbra que “falta vontade política” e ação por parte dos países e entidades responsáveis na difusão e valorização da língua.

“Não se tem feito quase nada. Há planos de ação de que ouvimos falar, como o de Brasília e o de Lisboa [planos de estratégia para a promoção da língua portuguesa]. É caso para dizer, com alguma amargura, que os planos já existem, agora faltam as ações”, disse à agência Lusa Carlos Reis, à margem da sessão de abertura do congresso internacional “Língua Portuguesa: uma Língua de Futuro”, que decorre entre hoje e sexta-feira.

Para o catedrático da Universidade de Coimbra, o diagnóstico está feito e as “iniciativas estão identificadas”. No entanto, “falta vontade política”, referiu, apontando para a própria ausência de qualquer representante da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) no congresso.

Segundo Carlos Reis, a CPLP “deveria ter um papel fundamental” no entendimento entre os diferentes países de língua oficial portuguesa.

“Que significado a CPLP dá à língua como motor da existência de uma comunidade de países de língua portuguesa”, questionou o coordenador do congresso que assinala o encerramento das comemorações dos 725 anos da Universidade de Coimbra.

Olhando para Portugal, o docente referiu que também falta “entendimento” no país quanto à importância da língua e à “noção básica de que a difusão e valorização da língua arrastam outros componentes como a ciência, economia, ou vida cultural, e não o contrário”.

Carlos Reis sublinhou que seria importante “aprofundar a formação de professores”, reforçar a presença do português no estrangeiro sem ser apenas com “um tradutor aqui e um leitorado acolá” e criar instituições “que sejam capazes de dinamizar de facto a língua portuguesa como uma língua comum dos oito países de língua oficial portuguesa”.

Nesse sentido, o Instituto Internacional da Língua Portuguesa deveria ter “um papel mais forte do que aquele que tem tido, porventura por falta de meios”.

Durante a sessão de abertura, Carlos Reis alertou que, se não se quer assistir a uma “morte lenta” da língua portuguesa, há que “passar da retórica à ação”. Contudo, o problema é que nos últimos anos há “muita retórica” e pouca ação, notou.

“Estamos cansados de ouvir e voltar a ouvir gente com responsabilidade citar: ‘a minha pátria é a língua portuguesa’. Como se isso aliviasse as consciências”, criticou.

Para além de muitas vezes mal atribuída a Fernando Pessoa, “não basta proclamar” tal expressão, frisou, terminando o seu discurso com uma interrogação sobre se ainda se vai falar em língua portuguesa nos 800 anos da Universidade de Coimbra.

Durante três dias, escritores, especialistas e investigadores debatem no Convento de São Francisco, em Coimbra, a língua portuguesa como um idioma de futuro, abordando o ensino da língua portuguesa, a sua presença na era digital, o português como língua do conhecimento ou como língua literária.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)