476kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O que aconteceu aos atores de "Nove Semanas e Meia"?

Este artigo tem mais de 5 anos

Mickey Rourke e Kim Basinger protagonizaram algumas das cenas mais picantes do cinema dos anos 80. Faz 30 anos em fevereiro e o charme de ambos mudou. Muito graças ao bisturi. Veja as diferenças.

i

Getty Images

Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Diz-se “Nove Semanas e Meia” e os risos sugestivos surgem de imediato. Os anos oitenta não teriam sido os mesmos sem o filme erótico realizado por Adrian Lyne e protagonizado por Mickey Rourke e pela estonteante Kim Basinger.

Era a cena de John a dar de comer na boca de Elizabeth – as personagens desempenhadas pelos dois atores -, era o cubo de gelo a escorregar pelo corpo da ruiva abaixo, era o sexo explícito numa ponte à chuva, era Kim a despir-se ao sim de You Can Leave Your Hat On. No que toca às cenas eróticas, “Nove Semanas e Meia” punha qualquer uma das atuais sombras de Grey a parecer um filme (quase) infantil.

Mas o tempo passou. Passaram-se quase 30 anos (faz em fevereiro) desde que Kim Basinger e Mickey Rourke entraram na ribalta como o casal que pôs a nu o sexo no cinema. E as diferenças são – no mínimo – visíveis, mostra o El País. Mickey Rourke tornou-se jogador profissional de boxe, as lutas ficaram-lhe gravadas no rosto e o ator quis disfarçá-las com (muitas) operações cirúrgicas. Hoje está assim:

Alterou o nariz cinco vezes (retirou cartilagem de uma orelha para o retocar), fez liftings, disfarçou orelhas, mexeu no queixo. E agora está visivelmente diferente do charme que o caracterizava nos anos 80. Tanto que a parceira de profissão, Kim Basinger, o chamou de “cinzeiro humano”.

Não é que a ruiva de beleza incontornável tenha fugido ao apelo das cirurgias. Também ela cedeu ao botox, embora com menos vigor – e menos necessidade, porque quem viu o filme não esquece o rosto e o corpo esculturais.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.