Japão

Os “navios fantasma” que chegam ao Japão

Nos últimos tempos têm dado à costa do Japão dezenas de barcos de pesca com cadáveres em elevado estado de decomposição. Mas de onde vêm? E quem são estas pessoas?

Pistas sugerem que os barcos têm origem na Coreia do Norte e que as pessoas mortas são pescadores norte-coreanos. Mas as dúvidas persistem.

No último ano têm chegado vários barcos de pesca vazios ao Japão. São já considerados como “navios fantasma” e fazem parte de um mistério com contornos, no mínimo, macabros. No entanto, só agora a situação começa a ganhar destaque na imprensa e as autoridades estão a concentrar esforços para encontrar as causas deste fenómeno.

Foram várias as embarcações que chegaram a vários pontos da costa japonesa, na zona do Mar do Japão (entre o Japão e as Coreias) com cadáveres em avançado estado de decomposição. Algo que se verifica com alguma regularidade nas últimas cinco semanas, avança a CNN.

Mas há ainda algumas questões por confirmar: Quem são os mortos e de onde vieram? Algumas pistas sugerem que as embarcações e a respetiva carga têm origem na Coreia do Norte, mas as dúvidas persistem.

Segundo a Guarda Costeira japonesa a situação, já dura há vários anos, mas apenas existem registos dos últimos cinco. Em 2014 foram encontrados 65 corpos e durante este ano já foram descobertos 34. Nestes últimos 5 anos foram encontrados, no total, 283 barcos nestas condições, mas as autoridades não revelam o número de mortos que continham.

mapa barcos que chegam ao Japão

CNN

Uma das situações que está a gerar maiores dores de cabeça às autoridades é o curto espaço de tempo em que aparecem estes autênticos cemitérios flutuantes – em cinco semanas chegaram 12 barcos de pesca.

Um porta-voz da Guarda Costeira japonesa revelou à CNN que “pensamos que possivelmente sofreram um acidente devido ao tempo, mas não podemos confirmar devido às más condições dos corpos”.

As mesmas autoridades têm trabalhado também para perceber há quanto tempo morreram estas pessoas. Os últimos a serem encontrados parecem ter morrido uma a duas semanas antes de serem descobertos. Mas a Guarda Costeira referiu que alguns dos dez corpos descobertos em três barcos no dia 20 de novembro pareciam estar lá há pelo menos três meses. Por isso, neste âmbito, o mistério permanece.

E também em relação à origem das embarcações permanecem muitas dúvidas. Algumas pistas apontam para a Coreia do Norte. Num dos barcos, noticiou a emissora japonesa NHK, foi encontrada uma frase estampada em coreano onde se podia ler “Exército Popular Coreano” (esta é a expressão que se refere às forças armadas norte coreanas) e um farrapo de roupa com uma bandeira da Coreia do Norte.

No entanto, as descobertas não chegam para provar nada. Pelo menos para a Guarda Costeira. À CNN um porta-voz explicou que “só podemos afirmar que possivelmente são da Península da Coreia uma vez que a frase escrita nos cascos estavam em coreano, mas não pudemos identificar a nacionalidade dos barcos”.

Em relação à idade e ao género das pessoas mortas, estão a ser levadas a cabo autópsias para os identificar. É que o elevado nível de decomposição não permitiu perceber a idade e o sexo dos cadáveres. No entanto muitos especialistas dizem já que é provável que estes sejam pescadores norte coreanos.

A CNN conta aliás, que nos últimos meses o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, tem tentado implementar medidas para aumentar os esforços piscatórios no país.

kim jong un

Por isso, existe a convicção que o números de mortos ao longo da costa japonesa pode aumentar. Principalmente pelo facto de, a partir de outubro e até fevereiro, ser o período principal para a pescas de várias espécies na zona da Península da Coreia. Um professor da Universidade Nacional de Bukyong na Coreia do Sul, Kim Do-hoon, refere mesmo, em declarações à Reuters, que “Kim Jong Un tem vindo a promover as pescas, o que poderia explicar porque há mais barcos de pesca a sair. Mas os barcos norte-coreanos funcionam muito mal, têm maus motores, arriscando vidas para ir mais longe para apanhar mais. Às vezes andam à deriva e os pescadores morrem à fome”.

Outros dos mistérios em toda esta história é o de perceber porque é que os barcos vão todos, ou quase todos, parar à costa do Japão. Mas esta é, provavelmente, a questão mais fácil de responder. Como explica a CNN, o fluxo de correntes no Mar do Japão faz com que barcos à deriva vindos da Coreia possam chegar facilmente à costa do Japão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)