Governo

Medidas para as empresas só duas vezes por ano

115

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira a lei orgânica do Executivo e as primeiras medidas. Uma delas é apenas mudar leis sobre as empresas duas vezes por ano.

Leonardo Negr‹o / Global Imagens

Autor
  • Liliana Valente

O Governo aprovou esta sexta-feira a lei orgânica do Executivo que cria os novos ministérios e departamentos governamentais. Além disso, os ministros de António Costa aprovaram várias alterações ao modo de fazer leis. Uma delas é escrever que medidas para as empresas só vão começar a fazer efeito em duas datas fixas por anos.

Era uma das promessas de campanha e uma das medidas que constava do Programa que foi ontem debatido e aprovado na Assembleia da República. A partir de agora, “a produção de efeitos de leis que têm impacto na vida das empresas [será] apenas duas vezes por ano, em 1 de janeiro”.

Além desta medida, o Governo aprovou uma nova norma que diz que os decretos-lei passam a ser aprovados em conjunto com a sua regulamentação “garantindo a imediata efetivação das mesmas”. E neste ponto, todos os atos normativos, ou seja, a aprovação de decretos-lei, decretos-regulamentares ou portarias” também passarão apenas a ser aprovados “uma vez por mês”.

Ambiente fica com transportes e habitação

Com a aprovação da lei orgânica do Governo foram criados os novos ministérios e as novas dependências. Garante o Governo que a intenção foi “limitar tanto quanto possível as alterações à orgânica dos departamentos governamentais que garantem a transversalidade da governação política interministerial e as prioridades programáticas”, lê-se o comunicado do Conselho de Ministros.

E nesta trocas, o Ministério do Ambiente vai ficar com duas tutelas importantes: a dos transportes urbanos, que inclui as empresas dos metros, a Carris e os STCP, e a reabilitação urbana. António Costa já tinha falado desta centralidade do Ambiente na Cimeira do Clima em Paris, o Conselho de Ministros confirmou a intenção na lei orgânica. No caso da reabilitação urbana, há no entanto uma medida que terá de ser estudada com a Segurança Social. Apesar de isso não constar do documento hoje aprovado, a intenção do Governo é utilizar 10% do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) para a reabilitação urbana com vista ao arrendamento com rendas mais baixas, que reverteriam para as contas do fundo.

A AICEP, por exemplo, mantém-se na dependência do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Ainda da lei orgânica sai uma organização mais burocrática: a secretaria-geral da Presidência do Conselho de Ministros vai servir quatro ministérios, o da Presidência, o do ministro adjunto, do Planeamento e Infraestruturas e da Cultura.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
271

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)