270kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

A vida e a morte de Scott Weiland, ex-vocalista dos Stone Temple Pilots

Este artigo tem mais de 5 anos

Tinha problemas com drogas, passou por várias bandas e gostava de mudar o estilo vocal. Scott Weiland, ex-Stone Temple Pilots e Velvet Revolver, morreu esta quinta-feira. Tinha 48 anos.

7 fotos

Scott Weiland, o carismático vocalista das bandas Stone Temple Pilots e Velvet Revolver, morreu esta quinta-feira em Bloomington, no Minnesota. A notícia, inicialmente avançada por Dave Navarro, amigo do cantor e guitarrista da banda Jane’s Addiction, foi confirmada pela mulher do cantor, Jamie Weiland, numa breve conversa com o Los Angeles Times. As causas da morte permanecem desconhecidas.

“Não consigo lidar com isto agora. É verdade”, disse a fotógrafa ao jornal norte-americano. O casal conheceu-se em 2011 durante a gravação de um videoclip e estava casado desde 2013.manager do cantor, Tom Victorino, também confirmou a notícia à Associated Press. Através das redes sociais, foi revelado que o cantor morreu em Bloomington durante a digressão dos The Wildabouts, o seu projeto a solo, criado em 2013. Weiland tinha 48 anos.

Nas redes sociais, as mensagens de pesar têm vindo a multiplicar-se. No Twitter, a atriz Julliette Lewis admitiu estar “triste” com a notícia. “Ele era uma força épica em palco. Os meus pensamentos vão para a família”, escreveu. O músico Alice Cooper também se manifestou através do Twitter, dizendo estar “muito triste com a morte do cantor Scott Weiland”. “Perdemos uma grande voz”, acrescentou.

Esta é a segunda morte a atingir recentemente os The Wildabouts. Em março, o guitarrista da banda, Jeremy Brown, morreu de overdose, de acordo com o relatório do médico legista de Los Angeles. Brown, de 34 anos, morreu um dia antes de a banda lançar o novo álbum de originais.

Dos Stone Temple Pilots aos The Wildabouts

Scott Richard Kline nasceu a 27 de outubro de 1967 em Santa Cruz, na Califórnia. Os pais divorciaram-se quando tinha dois anos. Ao voltar a casar, a mãe adotou o apelido do padrasto, David Weiland. Scott foi casado três vezes e há vários anos que tinha problemas com drogas, sobre os quais falava abertamente. Esteve várias vezes internado em clínicas de reabilitação e faltava frequentemente a concertos. Foram muitos os problemas com a justiça, seja por posse de droga ou condução sob o efeito de álcool, o que o levou alguns dias à prisão.

A sua carreira musical começou no final dos anos 80, quando fundou com os irmãos Robert e Dean De Leo os Mighty Joe Young que, mais tarde, deram origem aos Stone Temple Pilots. O sucesso da banda foi quase imediato. Os dois primeiros álbuns, Core (1992) e Purple (1994), foram um êxito de vendas (Core, que vendeu mais de oito milhões de cópias, atingiu o número três no top de vendas norte-americano). Em 1994, ganharam um Grammy pela melhor performance de hard rock, com a canção “Plush”.

Um ano depois do lançamento do seu quinto álbum, Shangri-La Dee Da (2001), a banda separou-se, devido a vários desentendimentos entre os irmãos De Leo e Weiland. Seguiram-se sete anos com os Velvet Revolver, super banda criada por Slash, Duff McKagan e Matt Sorum, antigos membros dos Guns N’ Roses, à qual se juntou posteriormente Dave Kushner. Juntos gravaram os dois únicos álbuns do grupo, Contraband (2004) e Libertad (2007).

Com o fim dos Velvet Revolver em 2008, Weiland regressou aos Stone Temple Pilots. Mas as coisas voltaram a correr mal. Apesar da intenção de realizar uma tour de comemoração dos 20 anos do lançamento de Core, em fevereiro de 2013, a banda anunciou a saída definitiva de Weiland. Os Stone Temple Pilots prosseguiram com Chester Bennington, vocalista dos Linkin Park, na voz.

Weiland era conhecido por mudar constantemente o seu estilo vocal, recorrendo muitas vezes ao uso de um megafone. Em palco, era uma força da natureza e, na escrita e na produção, alternava entre o hard rock e o reggae. A solo, lançou quatro álbuns de originais e um álbum de covers e, com a banda Scott Weiland and the Wildabouts, editou em março deste ano o álbum Blaster.

“Obrigado por teres partilhado a tua vida connosco”

Nas redes sociais, os ex-colegas Stone Temple Pilots publicaram uma mensagem onde começam por agradecer os anos que partilharam juntos.

“Querido Scott,
Deixa-nos começar por dizer obrigado por teres partilhado a tua vida connosco. Juntos, criámos um legado musical que deu a felicidade e muitas memórias a tanta gente. As memórias são muitas, e profundas. Sabemos que lutaste vezes sem conta entre o bem e o mal. Foi o que fez quem tu eras”. Robert e Dean DeLeo, e Eric Kretz despedem-se dizendo que vão sentir saudades do “irmão”.

Também Duff McKagan recorreu ao Facebook para deixar as últimas palavras em nome dos companheiros dos Velvet Revolver.

“Passámos uma boa parte da vida com o Scott, e mesmo nos seus tempos mais negros, todos tinhamos amor e esperança por ele. A sua arte continuará viva, disso não temos dúvidas.”

Para além da arte e da mulher, Scott Weiland deixa dois filhos, Noah e Lucy. Aos fãs portugueses, deixa memórias do único concerto que os Stone Temple Pilots deram em Portugal. Foi no primeiro dia do Paredes de Coura de 2001, um dos dias mais fortes de que há memória na história do festival, já que também os Queens of the Stone Age subiram ao palco. Em 2004, Scott Weiland voltou, desta vez ao Coliseu dos Recreios, com os Velvet Revolver. Foi a sua última passagem por Portugal.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.