Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pare, escute e olhe. Passar a linha de caminho de ferro tem sempre um risco associado. Não só para humanos, mas para os animais também. Incluindo as tartarugas, que não primam por ser muito rápidas. E que ainda por cima se podem ver presas em sarilhos. Literalmente. Por isso, os caminhos de ferro do Japão ocidental em parceria com o aquário Suma Aqualife Park, em Kobe, criaram um sistema para evitar que as tartarugas fiquem presas entre carris, noticiou The Japan Times.

Quando as tartarugas tentam atravessar os caminhos de ferro ficam entre carris e acabam por ficar presas nas junções móveis que permitem mudar a direção de um comboio de uma linha para a outra. Há problemas para os dois lados, a tartaruga é esmagada e o serviço de comboios é interrompido – o que aconteceu 13 vezes em Quioto e Nara entre 2002 e 2014.

O sistema consiste num fosso em forma de U, por baixo dos carris, onde as tartarugas caem quando estão a tentar atravessar as linhas. O pessoal que faz a manutenção das linhas diariamente recolhe-as e entrega-as no aquário. A perfeitura de Nara construiu um fosso em abril e outro em novembro e já conseguiu salvar 10 tartarugas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR