A classificação da Paisagem Cultural de Sintra pela UNESCO faz 20 anos no domingo, numa altura em que a vila regista um aumento do turismo e ainda procura solução para o trânsito no centro histórico.

“A classificação de Sintra como Paisagem Cultural da Humanidade projetou-a nos roteiros culturais internacionais, granjeou-lhe prestígio, reconhecimento, que se traduziu também num aumento da procura turística”, admitiu à Lusa Edite Estrela (PS), presidente da autarquia sintrense quando a vila foi classificada.

Parte do centro histórico e da serra de Sintra foi classificada, a 06 de dezembro de 1995, pelo comité do Património Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), reunido em Berlim, na categoria de Paisagem Cultural.

A ideia da candidatura, proposta em 1988 pelo historiador de Arte Vítor Serrão, então diretor da Biblioteca Municipal de Sintra, foi desenvolvida através de um longo e conturbado processo coordenado pelo arqueólogo José Cardim Ribeiro.

Aquilo que se tem de entender por Paisagem Cultural de Sintra, e que corresponde à realidade aprovada pela UNESCO, inclui, em sentido lato, três diferentes zonas“, salientou Cardim Ribeiro, numa comunicação sobre os 20 anos da classificação, defendendo que as áreas são “complementares e interdependentes”.

Na zona “inscrita” concentram-se os parques da Pena e de Monserrate, com os respetivos palácios, o Castelo dos Mouros, o Convento dos Capuchos e o Palácio Nacional de Sintra (antigo Paço Real), enquanto a zona “tampão” se estende até ao litoral e a “de transição” se prolonga pela área do Parque Natural de Sintra-Cascais.

Na sequência de missões técnicas a Sintra, um comité da UNESCO concluiu, em 2006, não existirem motivos para a inclusão na lista de património mundial em perigo, desde que fosse recuperada a zona “inscrita”, alertando para a “ameaça” urbanística nas zonas “tampão” e “de transição”.

“Quer as autoridades nacionais, quer as autoridades autárquicas têm a noção de que é um espaço privilegiado que urge preservar e valorizar. E, portanto, não penso que alguma vez este estatuto possa ser perdido, isso seria dramático”, considerou Edite Estrela.

A criação da sociedade Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML), para gerir os parques e os monumentos do Estado, em 2000, também contribuiu para salvaguardar “as condições e tudo aquilo que é exigível para uma área classificada”, notou.

A presidente da comissão nacional da UNESCO, Ana Martinho, sublinhou que a inscrição na lista do Património Mundial se traduz em benefícios de “maior visibilidade e promoção turística”, o que, por seu lado, origina “novas pressões sobre os bens”. Para a embaixadora, “é natural que as pessoas” queiram visitar os sítios e monumentos classificados, “mas o eventual acréscimo de turistas não pode, de facto, colocar em causa os valores do bem, pelo que a sua gestão requer um cuidado acrescido e exigente”. Apesar da revisão das áreas “inscrita” e “tampão” ser “uma possibilidade em aberto”, dependente de exigentes avaliações técnicas, o comité do Património Mundial atribui cada vez mais importância aos planos de gestão, apontou Ana Martinho.

O município e a PSML decidiram constituir, em setembro, o Gabinete do Património Mundial – Paisagem Cultural de Sintra, com o objetivo de promover o “debate de ideias sobre a gestão e a reabilitação do património”.

A comissão nacional da UNESCO decidiu associar-se à iniciativa e instalar no gabinete um novo centro da organização internacional, vocacionado para o Património Mundial, através da divulgação dos valores do organismo das Nações Unidas. “O centro UNESCO que está a ser criado poderá desempenhar um papel fundamental na preservação desta bela paisagem cultural que é um bem partilhado por todos nós e de que nos orgulhamos muito”, explicou Ana Martinho.