Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Carlos Alexandre, juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, pediu ao Conselho Superior da Magistratura que abrisse uma inspeção extraordinária sobre as suas contas bancárias e telefonemas de modo a averiguar que as fugas de informação da Operação Marquês não estão a partir dele.

No início da semana, a defesa do ex-primeiro-ministro José Sócrates pediu à procuradora geral da República a abertura de um inquérito à quebra do segredo de justiça, na sequência das denúncias de Paulo Silva, coordenador da investigação ao nível do órgão de polícia criminal (OPC), que solicitou uma “investigação à própria investigação”, após a publicação numa revista semanal de informações que quebravam o segredo de justiça daquele processo.

A notícia da inspeção extraordinária foi avançada pelo Correio da Manhã e a SIC apurou que a inspeção ainda não começou. Carlos Alexandre já revelou publicamente tudo aquilo que possui e afirmou que nas suas contas bancárias apenas entram depósitos do Ministério da Justiça, correspondentes ao seu salário, e do Ministério das Finanças, correspondentes ao salário da mulher.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR