Rádio Observador

Orçamento do Estado

Eurogrupo e Bruxelas discutem orçamento português em fevereiro

Eurogrupo prevê avaliar projeto orçamental português a 11 de fevereiro. Bruxelas ainda tem de dar sim antes de o orçamento pode ser aprovado na AR. Saída dos défice excessivos decidida em maio.

OLIVIER HOSLET/EPA

O Eurogrupo prevê avaliar o projeto orçamental português para 2016 na sua reunião de 11 de fevereiro, pois espera receber o documento no início de janeiro, mas depois terá ainda que aguardar pelo parecer da Comissão Europeia.

O calendário indicativo para apreciação dos planos orçamentais do XXI Governo Constitucional foi anunciado esta segunda-feira pelo presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, e pelo comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, na conferência de imprensa no final de uma reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, a primeira na qual participou o novo ministro das Finanças, Mário Centeno.

Moscovici revelou ainda, também em termos de calendário, que uma decisão sobre a eventual saída de Portugal do procedimento por défice excessivo só será tomada em maio de 2016.

Relativamente ao plano orçamental, Dijsselbloem apontou que Centeno assegurou ao Eurogrupo que trará o documento “assim que possível, provavelmente no início de janeiro”, e acrescentou que a ideia é os ministros das Finanças da zona euro discutirem o projeto, já com o parecer da Comissão Europeia, na reunião de fevereiro (dia 11).

Também o comissário Moscovici disse que a Comissão está “desejosa” de receber o plano orçamental de Portugal – em falta desde 15 de outubro, a data limite estabelecida no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas – e sublinhou igualmente que deve ser “o mais cedo possível, em janeiro”, para que o executivo comunitário possa preparar a sua opinião “tão rapidamente quanto possível”, e submetê-la ao Eurogrupo de fevereiro.

“Foi esse o calendário que acordámos”, apontou.

Tal significa que o Orçamento de Estado para 2016 não poderá ser aprovado na Assembleia da República antes de meados de fevereiro, já que, de acordo com as regras europeias, é necessário ter sido antes sujeito à avaliação de Bruxelas e dos outros Estados-membros da zona euro.

Moscovici disse ainda que “a Comissão saúda o compromisso do Governo de que Portugal, respeita os seus compromissos sob o Pacto de Estabilidade e Crescimento, sendo “a primeira prioridade”, sublinhou, “garantir que Portugal consegue uma correção sustentável do seu défice excessivo”.

“A Comissão avaliará se é possível fechar o procedimento por défice excessivo para Portugal em maio, uma vez que tenhamos dados validados do Eurostat (o gabinete oficial de estatísticas da UE) para 2015, e se as previsões económicas da primavera estimarem que o défice se manterá abaixo dos 3% em 2016 e 2017”, disse.

À saída da sua primeira reunião do Eurogrupo, Centeno afirmara aos jornalistas portugueses que o Governo vai apresentar o plano orçamental para 2016 em Bruxelas no início de janeiro, e reafirmou que o executivo tudo fará para alcançar um défice abaixo dos 3% do PIB este ano, “uma meta muito importante para o país”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)