480kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Vem aí o GunTV, o canal de televendas de armas

Este artigo tem mais de 5 anos

Os canais de televendas têm um rival que promete disparar sobre a concorrência: chama-se GunTV e vai começar a emitir em janeiro de 2016 nos Estados Unidos da América.

i

GunTV/Facebook

GunTV/Facebook

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A partir de janeiro de 2016 os norte-americanos vão poder comprar armas sem sair de casa, sentados no conforto do sofá e em frente ao televisor através da  GunTV. Nos EUA, a lista de coisas improváveis que se podem comprar nos  múltiplos canais de televendas é extensa, mas ainda não incluía armas. Uma das razões do sucesso deste tipo de canais por cabo é a  possibilidade de demonstrar a forma de utilizar o produto. Mas o canal GunTV, cujo nome completo é “GTV Live Shopping”, não fará demonstrações: o estúdio onde será filmada a emissão, o Palm Springs Film Factory, situa-se na Califórnia e onde é proibido por lei disparar armas de fogo dentro de estúdios de televisão, conta o jornal Desert Sun.

O canal por cabo vai arrancar com uma emissão de seis horas diárias, a partir da 1h da manhã, precisamente “o momento do dia em que a maioria das pessoas tomam as decisões mais sensatas”, refere em tom irónico o site Fast Company. Os proprietários do canal ambicionam produzir conteúdos para emissão 24 horas por dia/7 dias por semana até final de 2016. No entanto, o sucesso do canal não está garantido.

A discussão sobre as leis de venda e posse de armas de fogos nos EUA continua e ganha novo fôlego a cada novo tiroteio, como o que aconteceu a semana passada em San Bernardino, também na Califórnia. Os defensores da venda controlada de armas argumentam que o canal vai fazer crescer a procura e venda de armas.

“Tantas pessoas são mortas por armas todos os dias nos EUA; precisamos de pensar muito sobre isso [a compra uma arma]. O meu instinto diz-me que isto é que é a última coisa de que precisamos, ” declarou Laura Cutilletta, advogada no Law Center to Prevent Gun Violence (Centro de Direito para Prevenir a Violência Armada), um think tank com sede em San Francisco, ao The Guardian.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para Valerie Castelo, co-fundadora do GunTV, o canal vem suprir uma necessidade. “A nossa filosofia de negócio é dar resposta uma necessidade, não é criar uma”, disse ao jornal Desert Sun.  O canal vai funcionar de um modo um pouco diferente dos restantes canais de televendas: ao contrário do que acontece com outros produtos, a entrega das armas não será feita por correio. De modo a seguir os regulamentos, uma vez que um pedido é feito, o vendedor irá enviar o item para o retalhista licenciado para vender armas escolhido pelo cliente, onde será feita a verificação dos  antecedentes e  será concluída a venda.  Na prática, o canal GunTV  – que também vai vender munições e outros  acessórios para armas, como coldres – vai funcionar mais como uma montra de produtos. No site, o canal GunTV é descrito como algo”semelhante ao iTunes – mas para armas”. O canal publicou também na sua página de Facebook foi publicada uma infografia onde fala da sua responsabilidade social, numa tentativa de esclarecer potenciais compradores e anunciantes  acerca do modelo de negócio.

How The GunTV/Sports South Relationship Works Infographic

Posted by Gun TV on Wednesday, May 20, 2015
A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.