Maquilhagem

Como evitar os principais erros de maquilhagem

122

Do tom de base errado ao iluminador que faz a pele brilhar em demasia, saiba como evitar os 6 desastres mais comuns da maquilhagem (que até as celebridades cometem).

Um dos erros é usar um lápis de contorno de lábios num tom demasiado escuro.

Mireya Acierto/Getty Images

A maquilhagem é, sem dúvida, uma das maiores amigas da mulher. Enquanto um bom corretor pode disfarçar muitas marcas, borbulhas e olheiras, um batom vermelho pode dar todo um extra de confiança interna e mudar o nosso dia. Mas quando a maquilhagem deixa de ser uma amiga para se tornar inimiga número 1, é porque alguma coisa está a ser mal feita.

Para que não caia nos erros mais comuns da maquilhagem, mostramos-lhe os seis principais e a forma como os pode (e deve) evitar. Porque se até as celebridades o fazem — com os seus maquilhadores altamente experts — qualquer uma de nós o pode fazer sem se aperceber.

Tons de base errados

Este deve ser, provavelmente, um dos erros que as mulheres mais cometem — ou uma base demasiado escura, ou demasiado clara. Em qualquer um dos casos, o erro é visível e é como se estivesse a usar uma máscara. No pior dos cenários, um tom de base muito escuro, por exemplo, pode criar um aspeto envelhecido. O mais indicado será, antes de mais, ter uma base no tom certo. Quando a estiver a comprar, faça um teste na mandíbula e nunca no pulso — as mãos não têm o mesmo tom de pele do rosto. Além disso, é perfeitamente normal que, por estar sempre exposto, o rosto tenha um tom mais escuro que o pescoço. Assim, no final da maquilhagem feita, passe um pouco de pó bronzeador no pescoço e no peito para uniformizar. Dica: maquilhe-se sempre com uma boa luz para não correr o risco de sair de casa e reparar no espelho do carro que tem a maquilhagem às manchas.

Lápis de lábios demasiado escuros

Lábios carnudos e volumosos estão na ordem do dia. E, como já tínhamos falado noutro artigo, a moda dos lábios de Kendal Jenner veio para ficar. Mas é importante que os saiba fazer para não acabar com um resultado desastroso. Pode delinear exatamente na linha dos lábios, para um resultado natural, ou sair fora da linha para um efeito de lábios maiores. Mas o tom do lápis terá de ser igual ou ligeiramente mais escuro que o do batom e nunca vários tons acima. Ou o resultado será tão catastrófico como o de Nicki Minaj na fotografia.

Demasiado pó

A função do pó translúcido é, literalmente, cozinhar a maquilhagem. Que é como quem diz, matificar a base, os corretores, os iluminadores e, acima de tudo, diminuir o brilho da pele. Quando se coloca demasiado pó, no rosto inteiro ou em certos pontos, perde-se a uniformidade e criam-se pontos de brilho. Há uma nova tendência na maquilhagem, o “baking” – mais uma tornada famosa por Kim Kardashian – que é mais uma técnica de iluminação mas com pós. Aplica-se bastante pó nas zonas do rosto que se quer iluminar, deixa-se actuar durante 5/10 minutos e, no fim, desvanece-se tudo com um pincel seco. O que não pode acontecer é deixar que este “cozinhado” fique em excesso e lhe deixe a pele pesada e envelhecida.

Corretor de olheiras demasiado claro

É comum pensar-se que, quanto mais claro for o corretor, mais anulada será a olheira e melhor o resultado final. Mas este é um pensamento errado. Nas olheiras, os corretores devem ter tons quentes — amarelados ou salmão — porque vão neutralizar o tom arroxeado e iluminar a zona dos olhos. Não é por o corretor ser muito claro que vai esconder ou disfarçar melhor. Isso consegue-se com texturas de alta cobertura próprias para olheiras.

Iluminador em excesso

Toda esta moda dos contornos veio ensinar-nos o jogo de iluminar e esconder certas zonas do rosto. Mas iluminador em demasia vai criar um aspeto de pele oleosa e estragar todo o propósito de o usar — valorizar a maquilhagem e criar um ar saudável no rosto. O mais correto será, no fim, esfumar sempre bem os contornos para não ficarem muito marcados.

Blush muito marcado

O blush é um dos produtos mágicos que consegue deixar a pele com um aspeto saudável apenas com uma pincelada. Mas um produto errado pode fazer-lhe pior do que se não tivesse colocado nada. Além do tom de blush certo para a sua pele, como já tínhamos falado neste artigo, também é importante ter em conta as quantidades para não ficar com um resultado teatral. Assim, primeiro passe o pincel no produto, depois bata com o cabo no dorso da mão para soltar o excesso e, só aí, aplique na pele.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)