O Presidente da Irlanda, Michael Higgins, defendeu a necessidade de promover a coesão social e considerou que o desafio é “desacelerar as injustiças sociais”, desejando “o maior dos sucessos” ao novo Governo, liderado por António Costa.

“As páginas viram-se na História. Eu já estou na vida pública há 40 anos. Desejo ao novo governo de Portugal o maior dos sucessos para o futuro. Desejo aos portugueses todo o sucesso”, disse o chefe de Estado irlandês, quando questionado sobre a mudança de Governo e a viragem à esquerda.

Michael Higgins, que falava aos jornalistas no final de uma reunião de trabalho com o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, no âmbito da visita de Estado que realiza até sexta-feira a Portugal, afirmou-se impressionado com a “sofisticação do processo político e da Constituição” nacionais.

O Presidente irlandês disse que a mudança de Governo foi um dos temas abordados no encontro com Cavaco Silva.

“Tudo isto vai no sentido de uma coesão social”, que identificou como o maior desafio atual para os países da União Europeia.

“Vamos pensar no futuro da União Europeia. (…)Se quisermos chegar a um local sãos e salvos temos de ser capazes de levar as pessoas connosco. É preciso ter um discurso em que as pessoas possam ver as suas perspetivas”, declarou.

“O grande teste será o de desacelerar as injustiças sociais e caminharmos para uma coesão social e ter oportunidades de educação, de formação profissional”, algo que considerou ser possível.

Michael Higgins deixou um desafio à União Europeia: “que todos os povos, incluindo os gregos, que têm problemas terríveis com o desemprego, pensemos outra vez, para que possamos construir teorias para desenvolver as melhores políticas”.

O Presidente irlandês disse acreditar que crescimento económico e coesão social não são incompatíveis, antes pelo contrário.

“Altos níveis de coesão são a base necessária para que as pessoas possam participar em formação, possam ter acesso à tecnologia e à inovação”, sustentou, defendendo a necessidade de a Europa ter atenção à coesão social.

“Esta coesão não tem acontecido a nível europeu e tem de acontecer. Tem de ser sustentável para levar a um crescimento a todos os níveis e penso que estamos no caminho certo”, sublinhou.

Após as intervenções externas em Portugal e na Irlanda, “as economias de ambos os países estão melhores, as perspetivas são boas”, considerou Michael Higgins, que alertou no entanto para a prevalência do desemprego jovem.

“É um teste muito grande que é colocado às nossas administrações. É importante que recuperemos esta coesão. Temos de ter competitividade também no que diz respeito ao emprego”.

A visita de Estado do Presidente irlandês iniciou-se hoje com a deposição de uma coroa de flores no túmulo de Luís de Camões, no Mosteiro dos Jerónimos, seguindo-se uma reunião de trabalho entre os dois chefes de Estado.

Michael Higgins será recebido ainda hoje pelo primeiro-ministro português, António Costa, que oferecerá um almoço em sua honra, e seguirá depois para a Câmara Municipal de Lisboa.

O programa do primeiro dia terminará com um jantar, no Palácio da Ajuda, oferecido pelo Presidente da República português.

No segundo dia da visita, na quinta-feira, Michael Higgins visitará a Agência Europeia de Segurança Marítima, participará num almoço empresarial e terá um encontro com o Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

No dia 11, o Presidente da Irlanda deslocar-se-á ao Porto, onde será recebido na Câmara Municipal, participará num almoço oficial em sua honra oferecido pelo Presidente da Câmara, Rui Moreira, e visitará um centro de inovação.