Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Atenção, este conteúdo tem conteúdo sensível

A utilização de métodos deliberadamente dolorosos para a imposição de regras foi uma constante ao longo da História. Na Grécia, no século VI a.C., os condenados eram colocados dentro de estátuas de bronze com forma de touro por cima de fogo. À medida que a estátua aquecia, os supostos criminosos procuravam respirar através de um tubo construído no interior do touro. Assim o público podia ouvir os gritos, que pareciam ser os do próprio animal.

Há muitos exemplos vindos de todos os séculos. Ainda recordamos dos manuais escolares as regras da época da Inquisição ou da Dinastia de Ming. Nem o século XVII, com o humanismo e as ciências socais, veio terminar por completo com estas práticas e ainda hoje, 67 anos depois da criação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, muitos países continuam a admitir formas de tortura: alimentação forçada, celas minúsculas e a cama de tigre são alguns dos exemplos de punição física.

Muitos museus exibem instrumentos muito gráficos utilizados nas torturas da Idade Média. Veja alguns exemplos da fotogaleria.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR