O gigante chinês da internet, Alibaba, vai pagar 2,06 mil milhões de dólares de Hong Kong (242,1 milhões de euros) pelo South China Morning Post, publicado em Hong Kong, informou esta segunda-feira o jornal.

Alibaba “acordou a compra do grupo editorial (SCMP) pelo valor de 2,06 mil milhões de dólares de Hong Kong”, refere o comunicado enviado à bolsa de Hong Kong. O anúncio já tinha sido feito na sexta-feira e a Alibaba garantiu que manterá a objetividade da publicação.

A compra ocorre após semanas de especulação sobre o futuro do jornal que é publicado na região chinesa, mas escrito em inglês. Em causa estavam alguns receios de que o jornal perdesse a sua voz independente e se tornasse um porta-voz do Governo de Pequim.

A preocupação com a liberdade de imprensa em Hong Kong tem crescido após ataques a jornalistas, relatos de pressões das autoridades sobre os editores e uma cada vez maior autocensura.

O jornal foi fundado em 1903 e tem garantido aos leitores internacionais uma perspetiva interna de Hong Kong e da China, mas os lucros e as vendas têm sido afetados, nos últimos anos, por um declínio geral no setor.

A confiança dos leitores também caiu, depois de ter sido notada uma linha editorial mais favorável ao governo chinês, quando dezenas de milhares de pessoas protestavam nas ruas, no ano passado, contra a interferência de Pequim.

Analistas defendem que a ligação ao Alibaba irá aumentar a presença na Internet do SCMP, mas pode piorar a sua independência editorial.