Sábado

10h30: Villa Borghese

O percurso começa na Villa Borghese, o maior parque no centro de Roma (80 hectares) e um dos mais belos de entre as capitais europeias. Podemos optar por visitar os museus com uma reserva antecipada, como é o caso da famosa Galeria Borghese, ou percorrer as alamedas, quer a pé, quer de bicicleta (o aluguer é feito no local).

Para os cinéfilos, a Casa del Cinema, no Largo Marcello Mastroianni, oferece sessões matinais gratuitas. Se estiver a viajar com crianças, ofereça-lhes uma sessão, pois há uma sala de cine só para elas.

12h00: Da piazza di Spagna à fontana di Trevi

É tempo de rumar ao coração da cidade. A partir da Villa Borghese, nada melhor que descer a escadaria da Piazza di Spagna, sentar-se num dos degraus, e registar a sua presença numa selfie com a fontana della Barcaccia em pano de fundo.

Por esta altura estará já familiarizado com o registo turístico da capital italiana e não será surpreendido pela quantidade de pessoas aglomeradas junto à Fontana di Trevi. Seja como for, a fonte dita de Neptuno, merece a visita e o ritual: voltado de costas, atire uma moeda por cima do ombro esquerdo e imagine-se a regressar um dia a Roma, ao estilo de uma Anita Ekberg em La Dolce Vita de Frederico Fellini.

ROME, ITALY - MARCH 25: Tourists visit the Trevi Fountain on March 25, 2013 in Rome, Italy. Pope Francis yesterday led his first mass of Holy Week as pontiff by celebrating Palm Sunday in front of thousands of faithful and clergy. (Photo by Jeff J Mitchell/Getty Images)

ROME, ITALY – MARCH 25: Tourists visit the Trevi Fountain on March 25, 2013 in Rome, Italy. Pope Francis yesterday led his first mass of Holy Week as pontiff by celebrating Palm Sunday in front of thousands of faithful and clergy. (Photo by Jeff J Mitchell/Getty Images)

13h00: Panteão

Literalmente ao fim de cinco minutos, chegamos ao Panteão. Templo de todos os deuses, o edifício distingue-se pelo seu enorme domo, com uma altura e diâmetro de 43,3 metros. É preciso entrar nesta outra dimensão temporal e deixar-se encantar pela magia da luz proveniente do «oculus», um orifício no topo do edifício que deixa passar a luz natural, a única a entrar no templo.

Além da arquitetura singular, a presença do túmulo de Rafael confere notoriedade ao lugar. No exterior a visita prossegue, desta vez com um espetáculo saído diretamente das montras. As ruas que circundam o Panteão acumulam lojas únicas em todo o mundo, oferecendo a possibilidade de adquirir vestes eclesiásticas; sejam as meias púrpuras em tecidos luxuosos ou a alfaiataria sacerdotal com corte feito à medida. É uma verdadeira tentação para o olhar perder-se nas cores e no corte requintado do clero católico.

13h45: Bendito almoço

Duas ruas e três vielas depois e eis-nos no L’Eau Vive di Roma (via Monterone, 85, www.restaurant-eauvive.it). Fundado em 1969, este restaurante atípico é administrado por irmãs Carmelitas que se empenham em receber os clientes com uma hospitalidade que destoa da habitual pressa romana em libertar as mesas para novos clientes. Junte-se-lhe uma excelente relação qualidade-preço, uma escolha distinta de gastronomia francesa, várias salas e a simpatia de uma clientela heterogénea e temos os ingredientes necessários para a nossa eleição de almoço. Não deixe de falar em português com as irmãs, pois será compreendido, e aproveite para perguntar como chegar à nossa próxima etapa.

15h00: Santo António dei Portoghesi

A igreja de Sant’Antonio dei Portoghesi, na rua com o mesmo nome, surge diante de nós ao cabo de seiscentos metros. O exterior do edifício é bastante sóbrio e quase se confunde com a correnteza dos edifícios. É por isso com surpresa que entramos nesta igreja tão parecida com a homónima de Lisboa (junto à Sé Patriarcal). Lugar de paragem obrigatória para qualquer devoto de Santo António, a visita deverá ser feita cedo, pois o templo encerra às 16 horas.

16h00: Castelo de Sant’Angelo

Da via dei Portoghesi até ao Castelo de Sant’Angelo são pouco mais de dez minutos. É tempo de ter o primeiro contato com o rio Tibre e atravessá-lo numa ponte pedestre ornada por dez anjos realizados por alunos de Bernini (entre 1667 e 1669) respeitando os desenhos originais do mestre. O castelo ergue-se em frente e ostenta o peso da sua história: começou por ser o túmulo do Imperador Adriano, tornou-se residência nobiliária, depois, papal, servindo ainda de caserna e de prisão. É agora um museu com um terraço altaneiro aberto sobre Roma, que contempla uma vista única para o Vaticano.

Fireworks burst in the sky over the Castel Sant'Angelo during the traditional 'Girandola', the feast of Romes patron St Peter and Paul, on June 29, 2015 in Rome. AFP PHOTO / TIZIANA FABI (Photo credit should read TIZIANA FABI/AFP/Getty Images)

Fireworks burst in the sky over the Castel Sant’Angelo during the traditional ‘Girandola’, the feast of Romes patron St Peter and Paul, on June 29, 2015 in Rome. AFP PHOTO / TIZIANA FABI (Photo credit should read TIZIANA FABI/AFP/Getty Images)

17h30: Piazza Navona

Talvez as pernas comecem a reclamar descanso. Voltemos por isso à outra margem do Tibre, onde nos aguarda a mais sedutora praça de Roma. A piazza Navona deve o seu formato a uma pista de corridas romana, o Stadium de Domiciano, que ocupava o lugar no século I, com capacidade para 33 mil pessoas! Ao entrarmos no espaço, a sensação de serenidade é total, como se estivéssemos prestes a assistir a um espetáculo milenar absolutamente anacrónico: saltimbancos, caricaturistas e músicos ambulantes animam os turistas em torno de mais uma fonte com a assinatura de Bernini. As inúmeras esplanadas fecham a ronda, e têm todos os argumentos para um vermute e uma fatia de pizza.

19h30: Jantar no Trastevere

Com o cair da tarde e um agasalho, espera-nos a caminhada mais demorada, mas que não ultrapassa os 15 minutos, de fácil alcance depois do merecido repouso. Deixaremos serenamente para trás a confusão do trânsito da piazza Venezia, dos Museus Capitólios e do imponente Vittorio Emanuel II (um dos mais polémicos edifícios de Roma) e seguimos rumo, pela via di Ponte Sisto, ao mais badalado bairro de Roma: o Trastevere.

Aqui, o jantar é para ser demorado, apreciado e guardado na memória. Só pelo nome, vale a pena experimentar o Romolo nel Giardino di Raffaello e della Fornarina (Via Porta Settimiana 8; www.ristoranteromolo.it). Consta que esta era a casa de La Fornarina, a famosa amante e modelo do pintor renascentista Rafael. Fiel à sua história, é o restaurante ideal para uma refeição romântica. A ementa inclui especialidades romanas como mozzarela alla Fornarina e cervella e carciofi (mioleira e alcachofras).

23h00: à noite vinho e grappa

Depois do jantar, pode explorar a animação noturna do Trastevere ou regressar ao hotel a pé. Se estiver hospedado perto da piazza Navona (por exemplo, no campo dei Fiori’ Boutique, www.hotelcampodefiori.com, via del Biscione, 6), poderá ficar à conversa no Cul de Sac, uma das enotecas mais antigas da cidade (piazza di Pasquino, 73). A acompanhar uma excelente seleção de vinhos, experimente as tábuas de queijos ou os fumados e, por que não, uma boa grappa.

Domingo:

8h00: Café Expresso

A seis minutos a pé da piazza Navona, espera-nos a cafetaria Tazza d’Oro, na via degli Orfani (n.º 82, 84, junto ao Panteão). O estabelecimento tem a fama de servir o melhor café expresso de Roma. Mesmo que seja só fama, vale a pena visitar o espaço que oferece os mais variados tipos de cafés, além de artigos indispensáveis para os amantes dos grãos torrados. O aroma que se sente desde a rua é inesquecível.

9h00: Vaticano

Com a cafeína ingerida, estamos prontos para enfrentar as filas caóticas à entrada dos museus Vaticanos. Alguns dos tesouros mais bem guardados de Roma, e em certa medida do mundo, encontram-se aqui, como a joia do Renascimento que é a Capela Sistina. Meia hora a pé, pela ponte Vittorio Emanuele II, e a monumental Praça de São Pedro, a culminar na majestosa Basílica, ergue-se diante si. Não volte as costas ao Vaticano sem entrar e sentir a presença da pietà.

VATICAN CITY, VATICAN - JUNE 16: The dome of St. Peter is seen during celebration of the mass for the 'Evangelium Vitae' Day at St. Peter's Square on June 16, 2013 in Vatican City, Vatican. (Photo by Giorgio Cosulich/Getty Images)

VATICAN CITY, VATICAN – JUNE 16: The dome of St. Peter is seen during celebration of the mass for the ‘Evangelium Vitae’ Day at St. Peter’s Square on June 16, 2013 in Vatican City, Vatican. (Photo by Giorgio Cosulich/Getty Images)

13h00: Coliseu, Fórum e Palatino

Talvez deixe Roma sem ver o Papa, mas ainda vai a tempo de atravessar novamente o Tibre e rumar à majestosa via Fori Imperial, para ver surgir diante de si o Coliseu. A fachada do Colosseo eleva-se a 50 metros de altura e domina todo o eixo da Roma Antiga que se espraia no Fórum, que viu a cidade nascer. É possível observar-se toda a área a partir do Campidoglio. Por sua vez, o vizinho Monte Palatino, coberto de relva e pinheiros, é um dos lugares mais encantados da cidade. Reza a história que foram aqui criados, numa caverna, os lendários Rómulo e Remo, amamentados por uma loba.

14h30: Almoço com vista sobre o passado

Depois de tantas horas em pé, o melhor é parar para um almoço à romana no local. No Luzzi (via san Giovanni in Laterano, 88), o serviço não é o mais amistoso mas a conta é quase tão leve quanto a massa das deliciosas pizzas e a vista sobre a Roma clássica é incomparável. Refeitos, seguiremos para o último ponto da nossa visita. Via Celio Vibena, via di San Gregorio, via dei Cerchi, e chegamos à piazza della Boca della Verità.

16h30: A hora da verdade

A Bocca della Verità encontra-se no belo pórtico da igreja Santa Maria in Cosmedin. Este rosto esculpido poderá ter sido um ralo, anterior ao século IV antes de Cristo. Reza a lenda medieval que a boca rapidamente se fecharia sobre a mão de quem contasse mentiras. Era prática comum dos maridos mais desconfiados colocarem aqui à prova a fidelidade das suas mulheres. Talvez não se adeqúe aos nossos tempos, mas só quem nunca tenha mentido será capaz de colocar a mão na boca de pedra sem um certo arrepio.

18h00: Venchi Cioccogelateria – Aeroporto de Fimucino

Para dizer a verdade até no aeroporto de Roma se pode encontrar algo especial: Venchi Cioccogelateria. É este o nome da choco-gelataria que lhe permitirá trazer deste passeio um pouco de Roma e, quem sabe, experimentar no conforto de casa um sabor que dá vontade de voltar.

* O Guia Roma tem o apoio de Millennium BCP.