Sessenta e sete pessoas sofreram uma intoxicação alimentar numa escola, num lar e num centro de dia da Santa Casa da Misericórdia da Amadora, segundo o comandante dos Bombeiros Voluntários da Amadora, Mário Conde.

Além deste estabelecimento de ensino, foram registadas vítimas no Lar de Santo António (localizado no mesmo complexo da escola) e no Centro de Apoio à Terceira Idade do Casal da Mira, na freguesia de Mina de Água.

“Desconfiamos que se trate de intoxicação alimentar e já foram enviadas amostras da comida para análise”, afirmou Rui Pinto de Almeida, secretário-geral da Santa Casa da Misericórdia da Amadora, gestora do Complexo Social da Quinta das Torres, que inclui a Escola Luís Madureira e um lar de terceira idade.

Segundo o responsável, os primeiros sintomas surgiram por volta das 15h00, quando várias crianças do jardim de infância sentiram náuseas, tonturas e vómitos. De acordo com fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa, na escola estão “referenciadas 55 vítimas — cinco adultos e 50 crianças”. A Santa Casa indicou que também foram transportados para o hospital 10 idosos.

O responsável disse à Lusa que 54 destas vítimas foram transportadas para cinco hospitais da Grande Lisboa e outras 13 estavam pelas 20h a ser assistidas na Escola Luís Madureira, em Alfragide.

Mário Conde explicou que, segundo o delegado de saúde do município, as causas da intoxicação estarão relacionadas com “a distribuição de 550 refeições” de almoço por uma mesma empresa nestes três locais. Alguns dos doentes já tiveram alta, mas ainda estavam esta tarde 29 crianças e 7 adultos de baixa no Hospital Amadora-Sintra.

Em declarações aos jornalistas junto à escola, o comandante adiantou que para o local foram enviados 30 viaturas e 70 bombeiros, além de outros meios da Proteção Civil, a PSP e o Instituto Nacional de Emergência Médica.

Notícia atualizada às 21h.