A pedido do regulador do mercado português, a CMVM, a negociação das ações do Banif foi suspensa na bolsa de Lisboa ao início desta tarde. Espera-se a divulgação de “informação relevante” por parte do banco sobre o processo de venda, confirma o comunicado da CMVM. O Observador apurou, junto de fonte próxima, que já chegaram propostas (ainda não vinculativas) de aquisição pelo banco – propostas que serão encaminhadas para o governo, que terá a última palavra sobre a escolha das propostas.

“O Conselho de Administração [da CMVM] informa que, ao abrigo do disposto no Artigo 214.º, n.º 1, al. a) do Código do Mercado de Valores Mobiliários, deliberou hoje suspender a negociação em mercado regulamentado dos valores mobiliários emitidos pelo BANIF – Banco Internacional do Funchal, S.A., até à prestação de informação relevante relativa ao processo de venda voluntária do mesmo“, pode ler-se no comunicado.

Entre os interessados que terão apresentado proposta está o Santander, que na terça-feira o Observador noticiou que estaria pronto a avançar. A mesma informação (de que o Santander avançaria com proposta pelo Banif) foi esta quinta-feira transmitida pela agência espanhola EFE.

Contactada, fonte oficial do Santander não quis fazer comentários, tal como fonte do Banif.

Também interessados estão o Banco Popular e a gestora de fundos norte-americana Apollo, mas não foi possível confirmar que estes também apresentaram proposta efetiva. O governo quer que as propostas cheguem até ao final desta semana, segundo noticiou a imprensa nos últimos dias.

De acordo com informação recolhida pelo Observador, a decisão de suspender as ações não se prende exclusivamente com as propostas de compra que terão chegado ao banco, mas sim com toda a situação que se vive no Banif, pelo que a suspensão da negociação pode prolongar-se até poder ser anunciada uma solução definitiva.

Antes da suspensão, as ações do Banif estavam a disparar 45,45% na bolsa de Lisboa, para duas centésimas de cêntimo. Trata-se do terceiro dia de fortes ganhos para as ações do banco, que devem ser vistas à luz das perdas recentes.

BANIF PL Equity (BANIF - Banco I 2015-12-17 14-53-42

Para além do Estado que tem 60% do capital e 49,374% dos direitos de voto, há apenas mais dois acionistas qualificados, de acordo com a estrutura acionista que está no relatório semestral. Os herdeiros do fundador, Horácio Roque, que controlam 6,3% do capital e 8% dos direitos de voto, e o grupo Auto Industrial, que detém 1,8% do capital e 2,4% dos direitos de voto.