Ciência

Cientistas portugueses fazem descoberta que vai mudar os livros da escola

771

Havia um momento no metabolismo das bactérias que usam enxofre que não estava bem explicado. Agora uma equipa portuguesa encontrou a peça que faltava. Uma descoberta que promete dar que falar.

Existem bactérias redutoras de sulfato a viverem nas fumarolas de enxofre

Ulet Ifansasti/Getty Images

Já não é novidade que temos o intestino infestado com bactérias. E ainda bem. São estas bactérias que nos ajudam a degradar alguns alimentos e nos ajudam a fazer a digestão – até o enxofre e os respetivos derivados como os sulfitos e os sulfuretos. Cada nova descoberta sobre as bactérias ajuda-nos a perceber melhor como interagem com o nosso organismo. Agora, com o artigo que acaba de publicar na revista científica Science, a equipa do Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB) da Universidade Nova de Lisboa acredita que os manuais escolares terão de ser reescritos.

Algumas bactérias usam enxofre como nós usamos oxigénio: para respirarem e assim obterem energia a partir dos alimentos que têm à disposição. O enxofre, de símbolo químico S, que aparece muitas vezes sob a forma oxidada (ligado a átomos de oxigénio, O), é degradado pelas bactérias com esse objetivo. A missão das bactérias é transformar uma dessas formas oxidadas – o sulfato (SO4²-) – em sulfito (SO3²-), e este em sulfureto (S²-) – a forma mais reduzida (sem nenhum átomo de oxigénio). Sabia-se que as bactérias podiam, assim, produzir energia. Mas como? Os investigadores do ITQB, em colaboração com investigadores das Universidades de Bona (Alemanha) e Harvard (Estados Unidos), descobriram a peça que faltava no puzzle. Afinal existe um intermediário entre o sulfito e o sulfureto – o trissulfureto (S3²-).

Animação da formação do novo intermediário – trissulfureto. O vídeo mostra uma representação molecular da ação da enzima DsrAB (a bege e verde) e da proteína DsrC (a azul) na formação do intermediário ‐ um trsisulfureto ligado à proteína DsrC – a partir da reação desta proteína com sulfito. Créditos: Vitor Hugo Teixeira

“Para produzir energia, a respiração requer a criação de uma assimetria de cargas entre os dois lados da membrana celular e, até agora, não havia nada que ligasse a redução de sulfito à membrana”, explicou a coordenadora do trabalho Inês Cardoso Pereira, em comunicado de imprensa. E é precisamente este intermediário que explica como a redução de sulfito a sulfureto está ligada à membrana e, consequentemente, à produção de energia. “Os livros de texto serão revistos, claro. E os modelos usados por outros cientistas também.”

Esta descoberta mostra-se importante porque os produtos da atividade das bactérias redutoras de sulfato podem causar doenças inflamatórias do intestino. Conhecer melhor o metabolismo destes organismos torna possível estudar as formas de inibir a atividade inflamatória. “Já começámos a trabalhar nessa direção”, afirmou a investigadora.

Colónias de bactérias redutoras de sulfato em placa de Petri. Tal como no seu habitat, as bactérias crescidas no laboratório apresentam uma cor preta característica, devido à presença do sulfureto (o produto final da respiração destas bactérias). Créditos: Inês Cardoso Pereira Lab, ITQB

Colónias de bactérias redutoras de sulfato, apresentando uma cor preta característica, devido à presença do sulfureto – Inês Cardoso Pereira Lab/ITQB

Outra implicação importante desta descoberta diz respeito ao estudo da evolução do ambiente na Terra. Os geoquímicos estudam as taxas de processamento do enxofre, porque os primeiros organismos a povoar a Terra seriam semelhantes a bactérias redutoras de sulfato, mas este novo passo pode mostrar que os cálculos estão incompletos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)