O jornalista Jean-Jacques Bourdin acusou a Frente Nacional de partilhar “um espírito comum” com o grupo terrorista Estado Islâmico. E a líder Marine Le Pen não gostou. Como resposta, publicou imagens da morte de James Foley, o jornalista norte-americano decapitado em agosto de 2014 pelo Estado Islâmico. Os pais de Jim, como era carinhosamente tratado pela família, não gostaram, conta o The Guardian.

A nossa família foi informada esta manhã que a política francesa Marine Le Pen publicou no Twitter uma imagem vergonhosa e não censurada do Jim. Estamos profundamente perturbados com o facto de Le Pen ter usado a fotografia do nosso filho, sem a ter solicitado, com um objetivo político. Esperamos que esta foto, bem como outras duas, sejam retiradas imediatamente”, afirmaram John and Diane Foley, em comunicado.

A líder do partido de extrema-direita Frente Nacional publicou três imagens de assassinatos do grupo terrorista com a descrição “O Daesh [acrónimo árabe para Estado Islâmico] é isto”, numa tentativa de distanciar o seu partido do grupo extremista. Mas a procuradoria de Nanterre, nos subúrbios de Paris, já veio dizer que abriu uma investigação “à disseminação de imagens violentas” nos tweets.

O assassinato de James Foley foi filmado e transmitido pelo Estado Islâmico, mas os órgãos de comunicação social evitaram mostrar imagens perturbadoras desse momento.