O presidente do Governo espanhol apelou a que ninguém em Espanha extraia conclusões políticas da agressão que sofreu na quarta-feira numa arruada em Pontevedra (Galiza), ao ser esmurrado por um jovem.

“Tenho a maçã do rosto um pouco inchada. O médico deu-me uma pomada e um analgésico”, disse Mariano Rajoy no decorrer de uma das entrevistas televisivas que deu hoje de manhã.

Rajoy insistiu que “não saco conclusões políticas” do incidente e apelou “a que ninguém o faça”.

“Estamos num país civilizado e não andamos à bofetada. Foi uma exceção” que nada teve a ver com a campanha das eleições gerais de domingo, nem com o duro debate que teve na segunda-feira com o candidato do PSOE, Pedro Sánchez.

Já em Barcelona, onde participou num pequeno-almoço do jornal La Vanguardia, Rajoy sublinhou que “está bem” e que o incidente nem sequer lhe doeu.

“Foi tudo muito rápido, mas isto já passou. Não podemos dar-lhe mais importância do que a que tem. Somos um povo civilizado, tranquilo e moderado e de vez em quando há uma exceção que confirma a regra. Não há consequências”, sublinhou Rajoy, acrescentando que não vai mudar a sua forma de fazer campanha por causa do incidente.

O jovem agressor, de 17 anos, foi detido em Pontevedra após esmurrar Rajoy, que ficou com marcas na cara e com os óculos partidos.

A classe política espanhola – em especial os candidatos às eleições gerais de domingo – foram unânimes em condenar o incidente.