As autoridades chinesas aumentaram esta segunda-feira de 59 para 91 o número de desaparecidos num deslizamento de terras ocorrido no domingo numa zona industrial do sul da China que enterrou mais de 30 edifícios num mar de lama.

De acordo com o Ministério da Terra e dos Recursos Naturais chinês, o deslizamento, que ocorreu na cidade de Shenzhen, deveu-se à excessiva acumulação de resíduos de construção e terra.

O desastre provocou uma rotura num gasoduto e consequente explosão, que deixou um terreno de 10 hectares coberto de escombros.

Um residente que vive a quatro quilómetros do local disse à agência oficial Xinhua ter ouvido uma “grande explosão” por volta do meio-dia de ontem (horário local).

Entre os desaparecidos, 59 são homens e 32 mulheres, apontou a agência.

O desastre causou três feridos, enquanto sinais de possíveis sobreviventes foram detetados em três pontos do parque. Fotografias publicadas na imprensa local mostram fábricas e prédios derrubados ou cobertos por terra.

Mais de 1.500 pessoas participam nos trabalhos de resgate.

Vizinha de Hong Kong, Shenzhen é o principal centro da indústria tecnológica da China, com fábricas de montagem que trabalham para numerosas multinacionais do setor.