Presidenciais 2016

Castanheira Barros desiste devido à “grande azáfama” da sua vida profissional

O advogado Castanheira Barros, que se tinha anunciado como pré-candidato à Presidência da República, não vai disputar as eleições devido "à grande azáfama" da sua vida profissional.

PAULO NOVAIS/LUSA

O advogado Castanheira Barros, que se tinha anunciado como pré-candidato à Presidência da República, informou em Coimbra que não vai disputar as eleições devido “à grande azáfama” da sua vida profissional.

“Acontece que cheguei a este momento sem condições para apresentar a candidatura, apesar dos milhares de assinaturas recolhidas”, afirmou o advogado, numa conferência de imprensa no Hotel Dom Luís, em Coimbra, recusando-se a especificar o número exato de assinaturas que recolheu.

Castanheira Barros aproveitou também para manifestar o seu apoio a Marcelo Rebelo de Sousa, por uma questão de “coerência”, recordando que quando se candidatou à liderança do PSD afirmou que apontaria Marcelo Rebelo de Sousa como candidato do partido às legislativas.

A razão da desistência às presidenciais, refere, prende-se com o facto de estar a viver “o momento mais intenso” da sua carreira enquanto advogado, não tendo tido “um único dia de sossego” desde que os tribunais “reabriram a 01 de setembro”.

“Estão a decorrer as cinco principais ações de toda a minha carreira e pela lealdade aos meus clientes não pude dedicar-me o suficiente a uma divulgação mais intensa deste projeto”, apontou Castanheira Barros.

Entre os processos, que totalizam “valores na ordem dos 4,5 milhões de euros”, estão a coincineração de resíduos perigosos em Souselas e na Serra da Arrábida, uma “questão ambiental” em Torre de Moncorvo, uma ação em causa própria em que pede uma indemnização por não estar integrado na carreira de investigação científica e uma disputa de heranças.

Castanheira Barros manifestou ainda solidariedade para com todos os candidatos “que foram marginalizados pela comunicação social” e que não tiveram “oportunidade de expor publicamente as suas ideias”.

Durante a campanha, distribuiu diretamente “mais de 60 mil panfletos”, sendo que o momento mais alto de divulgação foi em agosto, quando uma tarja percorreu os céus do Algarve, realçou Castanheira Barros, que se recusa a usar a palavra “desistência”, porque esta “não existe no seu dicionário”.

Antes um “adiamento”, vincou, referindo que, caso o trabalho como advogado abrande, vai voltar a apresentar “novo projeto de candidatura daqui a cinco anos”.

“Foi feita uma rodagem e estou pronto para avançar para a estrada para um longo percurso, se houver condições”, afirmou.

Até 2021, Castanheira Barros promete continuar a luta “contra a coincineração e contra o corte de pensões e vencimentos”.

Além de Castanheira Barros, já desistiram de avançar com a candidatura à Presidência da República Sérgio Gave Fraga, José Pedro Simões, Graça Castanho, Paulo Freitas do Amaral, Orlando Cruz e António Araújo da Silva.

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)