A União Europeia decidiu esta segunda-feira estender as sanções económicas à Rússia por mais seis meses devido à crise militar na Ucrânia.

Agora com uma duração prevista até finais de julho, as primeiras sanções foram decididas no dia 31 de julho do ano passado em resposta à intervenção russa na Ucrânia de leste. Esta decisão foi depois prolongada por mais seis meses, em junho de 2015. A duração desta medida deveria terminar quando terminasse a implementação dos acordos de cessar-fogo assinados na capital da Bielorrússia, Minsk, o que se previa acontecer no dia 31 de dezembro deste ano.

Ora este acordo obrigava a retirada de todo o equipamento militar e soldados, a utilização da influência junto dos rebeldes pró-governamentais para manter o cessar-fogo, promover troca de reféns e permitir o acesso a observadores internacionais ao território indicado.

No entanto, como diz o Conselho Europeu em comunicado, “os acordos de Minsk não serão totalmente implementados até dia 31 de dezembro”, o que fez com que a duração das sanções fosse “prolongada enquanto o Conselho continua a sua avaliação do progresso da implementação”.